@F1 : #HungarianGp by @HaasF1Team

Grande Prémio da Hungria: Resumo da Corrida
Evento: Grande Prémio da Hungria (11º round de 21)

Data: Domingo, 24 de Julho

Local: Budapeste, Hungaroring

Layout: 4,381 quilómetros ,14 curvas

Condições climatéricas: Sol, 28ºC

Vencedor: Lewis Hamilton da Mercedes

Haas F1 Team:

Esteban Gutiérrez – arrancou de 15º, terminou em 13º (completou 69/70 voltas)

Romain Grosjean – arrancou de 11º, terminou em 14º (completou 69/70 voltas)

Os pilotos da Haas F1 Team, Esteban Gutiérrez e Romain Grosjean, terminaram Grande Prémio da Hungria, em Budapeste, no décimo terceiro e décimo quarto lugares, respectivamente.

Grosjean arrancou para a corrida de setenta voltas ao circuito de 4,381 quilómetros e catorze curvas de décimo primeiro e Gutiérrez de décimo quinto. Cada piloto elegeu os pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supermacio para iniciar a prova, assumindo uma estratégia de duas paragens nas boxes, ambas para montar pneumáticos macios.

Gutiérrez realizou o melhor dos arranques quando as luzes dos semáforos se apagaram, subindo de décimo quinto para décimo segundo, imediatamente atrás de Grosjean. Passou o seu colega de equipa durante a primeira ronda de paragens nas boxes, com Grosjean a entrar na boxe no final da décima quarta volta, seguido por Gutiérrez, na volta seguinte. Rodando firmemente no meio do pelotão ao longo de grande parte da corrida, Gutiérrez beneficiou de uma prestação sólida e, a dada altura, esteve integrado numa acirrada luta pela décima terceira posição juntamente com carros da Force India, Williams e Toro Rosso.

A segunda e derradeira ronda de paragens nas boxes viu Grosjean entrar nas boxes na trigésima sétima volta e Gutiérrez na trigésima oitava. Gutiérrez acabou por subir ao décimo primeiro lugar na quadragésima nona volta, mas perdeu uma posição para Sérgio Pérez, caindo para décimo segundo. Depois da bandeirada de xadrez, Gutiérrez viu ao seu tempo de corrida serem adiccionados cinco segundos, devido a uma penalização por ter ignorado a mostragem de bandeiras azuis quando fora dobrado por Lewis Hamilton, caindo para o décimo terceiro posto.

Entretanto, Grosjean, sentiu dificuldades com o equilíbrio do seu carro durante a maior parte da corrida. Ainda assim, conseguiu manter atrás de si Kevin Magnussen nos momentos finais da corrida, garantindo o décimo quarto lugar.

Com onze corridas de vinte e uma disputadas, a Haas F1 Team mantem o oitavo lugar no Campeonato de Construtores com vinte e oito pontos, mas a sétima classificada, a McLaren, ganhou alguma vantagem, graças aos dez pontos que conquistou com o sétimo lugar de Fernando Alonso. A nona classificada, a Renault, terminou foram dos pontos, permitindo à Haas F1 Team manter a vantagem de vinte e dois pontos.

A vitória obtida por Lewis Hamilton no Grande Prémio da Hungria, foi a sua quinta conquistada em Hungaroring, tornando-o no mais bem sucedido piloto do circuito. Foi também a sua quadragésima oitava vitória na Fórmula 1 e a sua quinta da temporada. Mais importante, o triunfo de hoje colocou o Campeão em título no topo da tabela do Campeonato de Pilotos pela primeira vez este ano. Hamilton chegou ao Grande Prémio da Hungria com uma desvantagem de um ponto para o seu colega de equipa na Mercedes, Nico Rosberg. Deixa a Hungria com seis pontos de vantagem sobre Rosberg, que terminou a 1,977s de Hamilton depois de ter arrancado da pole-position.

“Foi apenas uma má tarde. Nada funcionou bem. A nossa estratégia não funcionou, o carro não funcionou. Estava a tentar obter um bom equilíbrio, mas não o consegui obter. Tenho a certeza de que temos muito a aprender com esta tarde, mas é desapontante este resultado. Estava à espera de estarmos em melhor forma. Aguardava poder marcar pontos, depois da qualificação de ontem.

“Foi uma corrida interessante, com grandes lutas no início. Consegui realizar um bom arranque e estive ao longo das duas primeiras voltas em constantes lutas por posições e recuperar lugares. Depois dei o máximo em cada turno, não podendo poupar os pneus com todas as lutas que tinha à minha volta. Perto do final, comecei a ficar sem pneus e tive alguns problemas com os travões. Foi desafiante terminar a corrida. No entanto, a equipa realizou um grande trabalho para manter tudo sob controlo e quero a agradecer-lhe pelo trabalho intenso ao longo de todo o fim-de-semana. Trabalharam bem e realizaram paragens nas boxes muito boas. Queremos manter esta direcção, a melhorar e a tirar todo o partido do nosso carro, quando estamos já a caminho da Alemanha.”

“Muito trabalho para uma pequena recompensa. Terminámos no décimo terceiro e décimo quarto lugares. o Esteban realizou um trabalho muito bom e o Romain também. Mas a nossa estratégia não funcionou como pretendíamos. O Esteban sofreu uma penalização por não respeitar as bandeiras azuis. Vamos analisar e avaliar tudo detalhadamente. Na nossa opinião foi uma decisão dura, mas ao avançarmos, verificaremos o que é necessário fazer. No geral, a equipa trabalhou arduamente. Vamos para a Alemanha para tentar melhorar os resultados de hoje. O nosso objectivo passa sempre por conquistar pontos e vamos dar o nosso máximo para que isso aconteça.”

O décimo segundo round do Campeonato do Mundo FIA de Fórmula 1 é o Grande Prémio da Alemanha, que se realiza em Hockenheimring. Os treinos-livres iniciam-se no dia 29 de Julho, a qualificação a 30 e a corrida a 31.

@F1 : #HungarianGp by @Pirelli

GP UNGHERIA F1/2016 - BUDAPEST (UNGHERIA) 24/07/2016 © FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)
GP UNGHERIA F1/2016 – BUDAPEST (UNGHERIA) 24/07/2016
© FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)

ESTE ANO, NA CORRIDA DE HUNGARORING REGISTARAM-SE AS

TEMPERATURAS MAIS ELEVADAS DA PISTA

COMO ESPERADO, A MAIOR PARTE DOS PILOTOS ADOTOU UMA

ESTRATÉGIA COM DUAS PARAGENS

A ESTRATÉGIA ALTERNATIVA DE KIMI RAIKKONEN, COLOCOU-O NOS

PONTOS, AO SAIR DO 14.º LUGAR DA GRELHA

 

O Grande prémio da Hungria foi caracterizado pelas temperaturas da pista mais elevadas registadas ao longo da época, próximas dos 54º centigrados.

A maior parte dos pilotos iniciou com o composto Supermacio, antes de trocar como previsto, para o composto com mais durabilidade – composto macio, para os dois ultimos turnos. O melhor classificado com uma estratégia alternativa foi o Ferrari de Kimi Raikkonen em sexto, que iniciou com o composto macio e realizou os dois ultimos turnos com os Supermacios, sendo mais rápido cerca de um segundo que o composto macio.

O piloto da Mercedes, Lewis Hamilton venceu a corrida (que marca o meio da época), iniciando da segunda posição da grelha e assumindo a liderança na partida, mantendo-a apesar da forte oposição do seu colega de equipe Nico Rosberg, que frequentemente esteve a um segundo dele. Daniel Ricciardo em Red Bull e Sebastian Vettel em Ferrari, estiveram em semelhante e discutida batalha pelo ultimo lugar do pódio.

Paul Hembery, Pirelli Motosport Director: “Após a chuva torrencial da tarde de ontem, hoje tivémos as temperaturas de pista mais elevadas da época. Como resultado da chuva de ontem, os pilotos fizeram a escolha e a melhor seleção dos novos pneus, através do que fizeram ao longo do dia. Por estas condições desafiantes, todos deram o máximo do pincipio ao fim e como esperávamos, a maior parte dos pilotos realizou duas paragens. Poucos realizaram algo de diferente, nomeadamente algumas aproximações entre a Red Bull e a Ferrari, significando que os seus pilotos competiram pela posição ao longo da corrida até ultima volta.”

Médio Macio SUPERMACIO

Primeiro PER 1m26.466s ROS 1m23.670s RAI 1m23.086s

Segundo BUT 1m26.755s HAM 1m23.849s KVY 1m24.669s

Terceiro MAS 1m26.940s VET 1m24.383s MAS 1m25.296s

STINT MAIS LONGO DA CORRIDA:

MÉDIO Massa 40 (voltas)

MACIO Massa 37 (voltas)

SUPERMACIO Magnussen 24 (voltas)

A NOSSA PREVISÃO: Previmos que a estratégia vencedora fosse de duas paragens, e foi o que exatamente aconteceu e optada pela maioria dos pilotos. A nossa estratégia prevista iniciava com supermacios e trocava para macios nas voltas 12 e 41. No final, Hamilton realizou um turno maior do que o previsto, fez a sua primeira paragem na volta 16 e a segunda paragem na volta 41 das 70. Isto também o ajudou pelo tempo na qualificação, que condicionou uma menor degradação nos Supermacios que o esperado.

#16ValvulasEntrevista : Bruno Borlido fala da sua carreira no #Karting com #Rotax

Bruno Borlido @foto escolha pessoal
Bruno Borlido @foto escolha pessoal

Oportunidade para um regresso aqui no 16Válvulas.

Trata-se de Bruno Borlido , jovem piloto que faz a sua carreira nos Kartings e veio ao 16Válvulas para nos falar das recentes mudanças.

Ocasião ainda para uma apreciação ao panorama do Karting nacional em contraposto ao efetuado em Espanha.

No final ainda ficámos a perceber quais os planos para o seu futuro , bem como opinião sobre qual a categoria que um piloto deve seguir depois do Karting.

 

Em suma : mais uma importante entrevista que não deve perder por nada!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16Válvulas

 

@F1 : @HungarianGp #Quali by @HaasF1Team

Grande Prémio da Hungria: Resumo da Qualificação

Evento: Qualificação para o Grande Prémio da Hungria (11º round de 21)

Data: Sábado, 23 de Julho

Local: Hungaroring, em Budapest

Layout: 4,381 quilómetros, circuito de 14 curvas

Condições climatéricas: Chuva intensa, aguaceiros e Sol

Temperatura: 23ºC

Recorde: 1m18,436s realizada por Rubens Barrichello em 2004 com Ferrari (Q1)

Pole-position: Nico Rosberg da Mercedes (1m19,965s)

Resultado:

Romain Grosjean 11º, alinhará no exterior da sexta linha

Esteban Gutiérrez 15º, alinhará no exterior da oitava linha

 

  • tem a duração de 18 minutos e todos os vinte e dois pilotos participam
  • os dezasseis pilotos mais rápidos passam à Q2

Grosjean: 5º (1m35,906s), avançou para a Q2

Gutiérrez: 11º (1m38,959s), avançou para a Q2

Piloto mais rápido: Nico Rosberg da Mercedes (1m33,302s)

Cutoff: 16º Valtteri Bottas da Williams (1m42,758s)

  • tem a duração de 15 minutos e participam os dezasseis pilotos mais rápidos da Q1
  • os dez pilotos mais rápidos passam à Q3

Grosjean: 11º (1m24,941s)

Gutiérrez: 15º (1m26,189s)

Piloto mais rápido: Max Verstappen da Red Bull (1m22,660s)

Cutoff: 10º Lewis Hamilton da Mercedes (1m24,836s)

  • tem a duração de 12 minutos e participam os dez mais rápidos da Q2, que lutam pela pole-position

Pole-Position: Nico Rosberg da Mercedes (1m19,965s)

Segundo: Lewis Hamilton da Mercedes (1m20,108s)

Antes da qualificação para o Grande Prémio da Hungria, que se realiza no Hungaroring, em Budapeste, as equipas tiveram uma derradeira sessão de treinos-livres. Os pilotos da Haas F1 Team, Romain Grosjean e Esteban Gutiérrez, realizaram vinte e oito voltas no seu conjunto ao circuito de 4,381 quilómetros e catorze curvas – treze efectuadas por Grosjean e quinze por Gutiérrez.

A sessão de sessenta minutos foi realizada com o céu limpo, com uma temperatura estável de 26ºC, ao passo que a temperatura da pista subiu até aos 51ºC.

Ambos os pilotos iniciaram a sessão com uma volta de instalação e duas simulações de qualificação. A volta mais rápida de Gutiérrez foi de 1m22,142s, realizada com pneus Pirelli P Zero Vermelho/Supemacio, o que o colocou no décimo quarto lugar. A melhor volta de Grosjean foi de 1m22,284s, também efectuada com pneumáticos supermacios, o que o colocou no décimo quinto posto da tabela de tempos.

O mais rápido na terceira sessão foi o piloto da Mercedes Nico Rosberg, com uma marca de 1m20,261s, batendo o Red Bull de Max Verstappen por dois milésimos de segundo.

O céu limpo gozado pelas equipas durante a terceira sessão desapareceu quando a qualificação se iniciou duas horas depois. Uma chuvada atrasou o início da Q1, e mais atrasos e interrupções foram sendo vividos aquando de outras chuvadas que inundaram a pista. Apesar das condições dificílimas, com a pista a secar lentamente obrigando os pilotos a trocar os pneus Pirelli Cinturato Azul/Chuva por Cinturato Verde/Intermédio, Grosjean e Gutiérrez avançaram para a Q2 pela sexta vez consecutiva. Grosjean foi o quinto mais rápido na Q1 (1m35,906s) e o Gutiérrez foi o décimo primeiro (1m38,959s). Apenas os dezasseis primeiros avançaram para a Q2.

O Sol reapareceu para a Q2, permitindo que surgisse uma trajectória seca e as equipas rapidamente colocaram de parte os pneus para pista molhada para montar slicks. Com a pista a secar continuamente, os tempos foram caindo. Com pneus supermacios montados, Grosjean assinou o décimo primeiro tempo (1m24,941s) e Gutiérrez assegurou o décimo quinto crono (1m26,189s). Com apenas os dez primeiros a avançarem para a Q3, Grosjean falhou o cutoff apenas por 0,105s.

Nico Rosberg, o líder do Campeonato de Pilotos, foi o autor da pole-position para o Grande Prémio da Hungria, que se realiza no domingo. O alemão bateu o seu colega de equipa na Mercedes, Lewis Hamilton, mesmo no final da sessão, assegurando o topo da tabela de tempos por 0,143s. Foi a vigésima sexta pole-position da carreira de Rosberg, a quarta desta temporada e a segunda que assinou no Hungaroring. Rosberg detém uma vantagem de quatro pontos sobre Hamilton antes do Grande Prémio da Hungria.

“Foi por pouco. Ficámos apenas a um décimo de segundo do décimo lugar lugar do Lewis. Tudo considerado, estar assim tão perto, é muito positivo. Tomámos todas as decisões correctas em cada um dos momentos da qualificação, incluindo as escolhas de pneus. Foi uma sessão de qualificação muito difícil, mas mostrámos o quanto melhorámos como equipa desde o primeiro dia até hoje. Hoje fomos perfeitos na forma como executámos tudo. Estávamos rápidos tanto com os pneus de chuva como com os intermédios. Também não estivemos mal com slicks. Sei que o décimo de segundo que nos impediu de avançar estava na pista para ser ganho. Estou muito satisfeito com tudo. Se não chover amanhã, teremos um calor abrasador e isso faz sempre uma boa corrida.”

“Esta foi uma das qualificações mais complicadas da temporada, com muitas interrupções. Na Q1 fomos bastante azarados. Basicamente tive apenas uma volta limpa, portanto, não foi fácil para nós. Na Q2, tive algumas dificuldades para colocar temperatura nos pneus. As condições estavam muito difíceis. Com apenas uma linha de trajectória, não havia margem de erro. Não estou satisfeito com o décimo quinto lugar, mas amanhã espero ultrapassar e recuperar posições. Será, seguramente, uma corrida interessante e excitante e vou dar o meu melhor para ganhar o máximo de lugares possíveis.”

“Foi uma sessão muito excitante com muita acção em pista. Manter a calma nestas situações é muito difícil, mas penso que a equipa realizou um bom trabalho. Conseguimos gerir tudo muito bem, portanto, não há arrependimentos. Terminámos no décimo primeiro e décimo quinto lugares. Arrancar de décimo primeiro começa a tornar-se num hábito, mas pelo menos, o Romain poderá iniciar a corrida com pneus novos, isso será uma vantagem. O Esteban pode recuperar. Está em boa companhia, com o Kimi (Raikkonen) imediatamente à sua frente. Estamos muito perto, mas ainda não conseguimos passar à Q3, que é aonde queremos estar. Mas o décimo primeiro lugar é um bom lugar para começar a corrida. Amanhã estamos confiantes de que poderemos recuperar. Vamos trabalhar para marcar pontos.”

#TCR Benelux: Tiago Monteiro em Zandvoort com o Honda Art Car Jean Graton

Tiago Monteiro vai estar ao volante do Honda Art Car Jean Graton de 15 a 17 de Julho em Zandvoort em mais uma prova do TCR Benelux. A máquina que venceu recentemente o Goodwood Festival of Speed estreia-se agora em pista com o piloto português ao volante e Jean-Louis Dauger, o Director da Fundação Jean Graton.unnamed
Tiago Monteiro regressa assim ao campeonato depois das duas vitórias na jornada inaugural em Spa-Francorchamps para mais um fim-de-semana de competição com a Boutsen-Ginion Racing num Honda Civic TCR.
O Honda Art Car Jean Graton surge no seguimento da mais famosa criação de Jean Graton, director gráfico do herói de banda desenhada Michel Vaillant. A inspiração para a decoração do Honda foi Michel Vaillant Art Stip ‘A Fond’, que o retrata ao volante do seu F1 em busca do Ferrari no túnel do Circuito do Mónaco. O carro foi apresentado no Goodwood Festival of Speed como parte do Concurso WTCC’s Art Car em Junho. O design inovador foi apreciado por muitos que votaram favoravelmente na decoração. Em Zandvoort será a primeira oportunidade para todos de verem em pista o vencedor do concurso.
Para Tiago será um enorme prazer pilotar este carro num campeonato onde já foi bem sucedido e numa pista que lhe trás boas memórias: “Fiquei muito contente com o convite. O carro está giríssimo e estou certo que podemos conseguir um óptimo resultado. A minha primeira experiência no Campeonato correu na perfeição e espero poder voltar a repetir em Zandvoort. O carro é divertido de pilotar sobretudo numa pista como esta, onde fiz a minha estreia no WTCC em 2007. Espero que os fãs votem em nós para sairmos da ‘pole’, pois a missão é voltar a ganhar”, disse.

A emoção das corridas de #Moto2 e #Moto3 regressam em Sachsenring

Após um emocionante arranque, a época de 2016 dos Campeonatos do Mundo de Moto2™ e Moto3™ vai completar a primeira metade da temporada, em Sachsenring, na Alemanha, em meados de julho.

logo-dunlop1
Dunlop

Os pilotos que venceram as duas últimas corridas, na Catalunha e em Assen, estrearam-se como vencedores nestas categorias, onde a Dunlop é patrocinador oficial de pneus. Nessas corridas, pudemos disfrutar de uma competição renhida e emocionante.

A nona corrida representa o regresso à segunda pista mais difícil para os pneus, na qual os atuais dois líderes de Moto2, Johann Zarco e Alex Rins, terminaram em segundo e terceiro lugar respetivamente, no ano passado. Ambos os pilotos vão lutar por ocupar o lugar mais alto do pódio, no dia 17 de julho, sabendo que Sam Lowes está apenas a cinco pontos, e pretende também recuperar o primeiro lugar. Em Moto3, já decorreram 12 corridas sem que o piloto ocupante da pole tenha conseguido converter essa vantagem numa vitória. O líder do campeonato, Brad Binder, aproximou-se em Barcelona, com um segundo lugar, que lhe permitiu manter a liderança, mas Jorge Navarro e Romano Fenati não estão longe na batalha pelo título.

Nona corrida: Sachsenring, Alemanha – 17 de julho

Sachsenring possui uma superfície muito abrasiva e uma combinação desequilibrada de curvas (com dez para a esquerda e três para a direita), pelo que a geração de calor é um elemento chave neste circuito.

Os pilotos de Moto2 terão à sua disposição dois pneus especiais de composto duro, os S1 e S2, incluindo a última evolução S2, testada com sucesso na Catalunha.

Factos sobre a Pista de Sachsenring:

  • Comprimento: 3,671km
  • Curvas para a esquerda: 10
  • Curvas para a direita: 3
  • Nível de energia: 70%/ 30%
  • Inclinação esquerda-direita: Alta

Alocação de pneus em Sachsenring:

Moto2

Dianteiro: Macio «1» (preto sobre amarelo) / Médio «2» (preto sobre prateado)

Traseiro: Duro especial «S1» (sem decalque) / Duro especial «S2» (preto sobre prateado)

Moto3

Dianteiro: Macio/Médio

Traseiro: Macio «S1»/ Médio «M1»

Especificações de pneus para a Época 2016

As especificações de pneus para 2016 são similares às da época anterior, com a exceção de que, na Moto3, incluir-se-á o H3 para pneus traseiros, com características mais próximas às de uma opção intermédia, comparando com o H2 de 2015. O pneu H3 oferece o mesmo desempenho, mas conta com uma maior durabilidade.

Este ano, como resposta ao feedback dos pilotos, os concorrentes de Moto2 terão a opção H4, ligeiramente mais firme, que oferece uma prestação similar mas com maior durabilidade em comparação com a alternativa H3, preferida em 2015 para algumas pistas.

Moto2 Moto3
Macio «1» (preto ’Dunlop’ sobre amarelo) Dianteiro e Traseiro Macio «S»/«S1» (preto sobre amarelo) Dianteiro e Traseiro
Médio «2» (preto sobre prateado) Dianteiro e Traseiro Médio «M»/«M1» (preto sobre prateado) Dianteiro e Traseiro
Duro «3» (amarelo sobre preto) Dianteiro e Traseiro Duro «H3» (amarelo sobre preto) Traseiro
Duro «4» (branco sobre preto) apenas traseiro
Duro especial «S1» (sem decalque) apenas traseiro
Duro especial «S2»’ (preto sobre prateado) apenas traseiro

#ForeverForward 2016

A classificação Dunlop #ForeverForward continua extremamente dinâmica e muito disputada, com as sete primeiras posições separadas por apenas 20 pontos. Maria Herrera, em Moto3, mantém-se no topo da classificação, com nove pontos de vantagem sobre Hafizh Syahrin, de Moto2, graças aos 14 lugares ganhos em Assen.

A maior subida nas duas corridas foi registada por Lorenzo Petrarca, na Catalunha, com 22 lugares ganhos na corrida de Moto3. Em Assen, foi o piloto de Moto2 Edgar Pons que mais subiu, com 23 lugares ganhos desde a partida.

A classificação #ForeverForward da Dunlop após oito corridas:

  1. Maria Herrera (Moto3)                    66
  2. Hafizh Syahrin (Moto2)                 57
  3. Brad Binder (Moto3)                       51
  4. John McPhee (Moto3)                   48
  5. Fabio Spiranelli (Moto3)                48
  6. Isaac Viñales (Moto2)                    46
  7. Fabio Di Giannantonio (Moto3)   46

@F1 : @BritishGp by @Pirelli

GP GRAN BRETAGNA F1/2016 - SILVERSTONE (GRAN BRETAGNA) 08/07/2016 © FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)
GP GRAN BRETAGNA F1/2016 – SILVERSTONE (GRAN BRETAGNA) 08/07/2016
© FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)

A CORRIDA COMEÇOU COM UM SAFETY CAR EM PISO MOLHADO APÓS CHUVA TORRENCIAL ANTES DA PARTIDA.

PNEUS CINTURATO DE CHUVA E INTERMÉDIOS, ASSIM COMO PNEUS P ZERO SLICK, UTILIZADOS NUM DOS CIRCUITOS MAIS EXIGENTES DO ANO

O piloto da Mercedes, Lewis Hamilton, venceu o Grande Prémio da sua terra natal pela quarta vez, utilizando três compostos Pirelli diferentes. O Grande Prémio de Inglaterra foi surpreendido por chuva torrencial 15 minutos antes do início da corrida, o que significou que a partida decorreu atrás de um safety car com todos os carros equipados com pneus de chuva Cinturato Blue.

Quando o safety car, saiu de pista após cinco voltas, diversos pilotos alternaram de imediato para pneus intermédios Cinturato Green, enquanto os líderes usufruíram da vantagem de um safety car virtual para trocar para intermédios pouco tempo depois.

O ponto de transição – quando é mais rápido alterar para pneus slock ao invés de manter os intermédios – foi escolhido pela maioria das equipas desde a 15ª volta (quando Sebastian Vettel, da Ferrari, foi o primeiro a parar) até à 18ª volta de 52. O tempo nas pit stops tornou-se crucial, dada a oportunidade de ganhar mais tempo ao utilizar o tipo de pneu certo na altura certa. Com o início da corrida a decorrer sob condições húmidas, cessou a obrigação de correr com, pelo menos, dois compostos.

Invulgarmente, a meio da corrida foi curioso verificar que todos os pilotos optaram exatamente pelo mesmo padrão de pneus: de chuva, intermédio, seguidos de médios. A maioria dos pilotos correu com médio até ao final da corrida, tornando-a numa prova de duas paragens. Esta estratégia foi adotada pelo Top-10 final, com cerca de 10 segundos a separar o Top-3 até à meta. O piloto com três paragens mais bem posicionado foi Felipe Massa, da Williams, que fez uma última troca para pneus macios.

Paul Hembery, Pirelli Motosport Director: “A longa ameaça de chuva finalmente materializou-se momentos antes do início da corrida, o que claramente alterou por completo o seu desenho e a estratégia de utilização de pneus, especialmente dado o longo período em pista do safety car. Como resultado, tivemos um circuito com piso molhado, com todos os pilotos a transitar progressivamente de pneus de chuva para intermédios e Slick: o “timing” dessas paragens foi crucial. Foi uma batalha renhida até ao fim pelos lugares do pódio numa corrida que apresentou a variedade de condições e de meteorologia pelo qual a Inglaterra é conhecida, mas todos os pilotos foram capazes de lutar e de cruzar a bandeira axadrezada.”

Médio Macio Chuva Intermédio

Primeiro Ros 1m35.548s Mas 1m36.141s Ham 1m56.218s Ves 1m47.479s

Segundo Alo 1m35.669s Mag 1m37.619s Ros 1m58.586s Ham 1m50.649s

Terceiro Ham 1m35.771s Ves 1m59.064s Ric 1m51.040s

STINT MAIS LONGO DA CORRIDA:

Médio Vettel 37(voltas)

Macio Massa 17(voltas)

Chuva Rosberg,Ericsson, Perez, Nasr, Verstappen, Hamilton 7(voltas)

Intermédio Alonso, Magnussen, Gutierrez, Hulkenberg,Sainz 12(voltas)

A NOSSA PREVISÃO: A chuva significou uma alteração brusca das estratégias e os pilotos tiveram de reagir às alterações nas condições do circuito à medida que o piso foi secando. Hamilton liderou desde o início e parou à 7ª volta para alterar para intermédios, e na 17ª para pneus médios.

#16ValvulasEntrevista Guilherme Bianchini sobre o sonho de chegar à @FormulaIndy , via @MAZDA

Guilherme @ foto escolha pessoal
Guilherme @ foto escolha pessoal

 

Nesta ocasião apresentamos um jovem brasileiro , praticante de Karting de nome Guilherme Bianchini.

Guilherme nesta entrevista fala-nos do projeto que tem com outros amigo e que o podem levar a correr na Formula Indy nos E.U.A.

Oportunidade de percebermos quais as varias etapas deste sonho que tem como data chave o dia 15 de Agosto de 2016.

No final falámos sobre ídolos para o jovem brasileiro , sendo que um deles é americano. Para saberem vão ter de ouvir…

Em suma: mais uma entrevista que não vão querer perder!

Cliquem AQUI para ouvirem e partilharem o Podcast do 16Válvulas

#16ValvulasEntrevista Inês Ponte Grancha sobre o #CNR e o #CNTT

Ines @ foto escolha pessoal
Ines @ foto escolha pessoal

Oportunidade nesta ocasião para o regresso em entrevista ao 16Válvulas de Inês Ponte Grancha , numa altura em que lidera com o José Pedro Fontes o Campeonato Nacional de Ralis.

Nesta ocasião falamos não só sobre Ralis mas também da presença fugaz no Nacional de TT com seu marido Pedro Grancha.

No final oportunidade para abordámos  sobre a candidatura do Team Citröen Vodafone Team ao título, naquela que seria a revalidação do mesmo para José Pedro Fontes.

Em suma: mais uma importante entrevista que não querer por nada!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16Válvulas

#16ValvulasEntrevista Ricardo Santos designer de publicações de #Motorsport

Ricardo Santos @ foto escolha pessoal
Ricardo Santos @ foto escolha pessoal

Oportunidade nesta entrevista 16Válvulas de explorarmos o aspecto grafico do desporto motorizado.

Assim hoje trazemos em entrevista Ricardo Santos que foi responsavel  grafico da revista Autosport que atualmente está em banca.

Ocasião ainda de falarmos sobre a imprensa especializada , bem como algumas sugestões deste designer que trabalha como free-lancer para varias publicações internacionais.

No final ficam ideias do seu projeto pessoal para o qual tem de ouvir a entrevista para o conhecer.

Em suma: mais uma entrevista que não devem perder por nada!

Cliquem AQUI para ouvirem e partilharem o Podcast do 16Válvulas