Malaysian F1 Gp : Pirelli estreia P Zero Laranja ao lado do P Zero Branco


Malasia 2014

EM CASO DE CHUVA, ESTÁ DISPONIVEL O CINTURATO BLUE WET COM UMA MAIOR CAPACIDADE DE DISSIPAÇÃO DE ÁGUA

 

Barcelona, 24 de março de 2014 – O novo mundo da Fórmula 1, com os seus novos pneus, enfrenta o seu teste mais dificil na Malásia, um circuito reconhecido pelo seu asfalto abrasivo e pelas condições meteorológicas extremas, desde o calor intenso às fortes chuvadas. Para lidar com estas exigentes condições, foram selecionados os dois modelos com compostos mais duros; P Zero Laranja (duro) e P Zero Branco (médio). As evoluções que a Pirelli realizou para este ano, traduzem-se no aumento da robustez de forma a reduzir a degradação, mantendo as mesmas carateristicas desportivas e de “performance”, de modo a melhorar a espectacularidade da corrida.

 

Paul Hembery (Responsável da Pirelli Motorsport): “Obviamente que a Malásia, será apenas a segunda corrida com esta nova gama de pneus, concebidos para a última geração de carros de formula um, e já utilizados, no entanto o pneu duro irá marcar a estreia em 2014. O pneu médio demonstrou um óptimo desempenho em Melbourne, mas o circuito da Malásia apresenta um grande contraste com o da Austrália. Vamos partir de um asfalto liso em Melbourne para uma pista muito abrasiva, para além das condições relativamente frias de Albert Park para temperaturas de ambiente e pista muito mais altas. Certamente, vai ser um grande desafio para os pilotos e os novos carros, e não devemos esquecer que ainda nos encontramos no começo de uma curva de aprendizagem. A chuva, presente na qualificação do G.P. da Austrália, permitiu às equipes utilizarem e comprovarem os pneus intermédios e de chuva 2014, conhecimento que poderá ser muito útil em Sepang.”

 

 

 

Jean Alesi (Consultor da Pirelli): “A Malásia é uma das corridas mais dificéis do ano, tanto para o piloto como para os pneus, ao conseguir manter um bom ritmo, podemos limitar a pressão sobre os pneus, sendo a degradação térmica o pior inimigo dos pneus na Malásia. Para observar o potencial de cada equipe, vai demorar alguma corridas, o que é uma situação interessante. A outra coisa que sempre associei à Malásia foi a chuva forte. O percurso de evolução que os pneus de chuva têm realizado, desde a altura em que era piloto, é incrível, jamais alguém tinha previsto a taxa de dispersão de água que um pneu realiza actualmente. O verdadeiro problema em Sepang pode ser a água acumulada em certas zonas da pista, e não os pneus como factor limitador, mas o facto dessas zonas de água acumulada, propiciarem o efeito de Acqua planning e por sua vez, perdermos o controle do carro. A visibilidade também é muito dificil para os pilotos que seguem atrás.”

 

O ponto de vista dos pneus do circuito:

Sepang é um circuito rápido, com uma velocidade média acima de 210 Km/h na qualificação, com curvas especificas. A tracção é crucial para acelarações a alta velocidade.

 

Com o Set-up “downforce” favorecido pela maioria das equipes, os pneus têm de lidar com altas cargas laterais e com uma pressão descendente equivalente a 830 Kg. Esta combinação de forças, que origina a degradação térmica e mecânica.

 

O pneu P Zero laranja (duro) é um composto de trabalho elevado , adequado para as condições mais extremas, enquanto que o P Zero Branco é um composto de gama baixa de trabalho. Ao ajustar o composto Mix, os intervalos de trabalho da totalidade dos pneus foram alargados este ano.

 

A mesma realidade para os pneus de chuva. O desenho do piso traseiro foi redesenhado para melhorar a resistência ao efeito “Acqua planning” em condições de chuva, e ajustado para permitir cobrir uma ampla gama de condições. No presente ano, o pneu de chuva consegues dissipar 65 litros de água por segundo a 300 Km/h, mais 5 litros que no ano passado.

 

O pneu dianteiro esquerdo, possui um trabalho mais duro na Malásia, a temperatura do rasto do pneu pode chegar a 120 graus centígrados pela energia do atrito, Sepang é o 4º circuito com a maior procura de pneus dianteiros esquerdos durante todo o ano, depois de Silverstone, Barcelona e Suzuka.

 

A chuva afectou a estratégia do ano passado, com os cinco melhores pilotos a parar quatro vezes. Avaliando os pontos de forma cruzada com a estratégia, estes foram cruciais. Sebastian Vettel (Red Bull) venceu: Partiu com intermédios antes de passar para o pneu de composto médio, depois de completar duas passagens com pneus duros, antes de terminar no de composto médio.

 

 

 

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s