@F1 : #BrazilGp by @Pirelli


GP BRASILE F1/2016 - INTERLAGOS (BRASILE) 12/11/2016  © FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)
GP BRASILE F1/2016 – INTERLAGOS (BRASILE) 12/11/2016
© FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)

NO CHUVOSO GRANDE PRÉMIO DO BRASIL, LEWIS HAMILTON VENCE PARA A MERCEDES E APROXIMA-SE PELA LUTA DO TITULO

NUMA ATRIBULADA CORRIDA, APENAS O CINTURATO INTERMÉDIO E OS PNEUS DE CHUVA MARCARAM PRESENÇA

BANDEIRAS VERMELHAS E SAFETY CARS INFLUENCIARAM A ESTRATÉGIA. HAMILTON VENCEU, DIVERSOS PILOTOS CONDUZIRAM EM CONDIÇÕES EXTREMAS

O piloto da Mercedes Lewis Hamilton, venceu um chuvoso e interrompido grande prémio do Brasil, utilizando apenas os pneus Cinturato Blue (composto de chuva), ao longo de dois dias maioritariamente disputados sob chuva, em Interlagos.

Devido à chuva abundante, o inicio da corrida fez-se atrás do Safety car, com todos os pilotos a utilizar os Pirelli´s Cinturato Blue (composto de Chuva) de acordo com o regulamento. Outro prematuro Safety car, permitiu a algumas equipes, incluindo a Red Bull, uma oportunidade para trocar para intermédios, com Max Verstappen a regressar à corrida na quarta posição, sendo o melhor classificado com este composto.

Após o acidente com o Ferrari de Kimi Raikkonen, houve um longo período com bandeira vermelha após a vigésima volta, com a corrida a iniciar novamente atrás do Safety Car. Este após a sua saída e logo ao fim de sete voltas, outra bandeira vermelha obrigou a outro recomeço atrás do Safety Car. Apenas algumas voltas mais tarde, alguns pilotos trocaram para os pneus intermédios quando a chuva continuava a cair, com a referência estabelecida pelo Daniel Ricciardo em Red Bull em determinados sectores. No entanto, a chuva forte que surgiu depois, revelou que o composto de chuva era o pneu certo para terminar a corrida.

Com a corrida a iniciar debaixo de chuva, não existe a obrigação de montar qualquer composto Slick, com os pilotos a utilizar apenas os compostos intermédio e de chuva para esta atribulada corrida.

Paul Hembery, Pirelli Motosport Director: “Fomos presenteados por um fantástico espétaculo em condições muito dificeis, com alguns pilotos a utilizar ambos os compostos de pneus, chuva e intermédios, de modo a ganhar vantagem numa corrida disputada roda a roda. Mais que tudo, estamos contentes porque os fans finalmente conseguiram ver uma corrida na totalidade, apesar dos atrasos. Foi uma corrida longa e complicada que deu momentos unicos de condução, por exemplo de Max Verstappen e Filipe Nasr a correr em casa, bem como Fernando Alonso que lutou na fase final. Todos mostraram como uma excelente condução é possivel, mesmo nestas condições extremas.”

Melhores tempos do dia por composto:

CHUVA INTERMÉDIOS

Primeiro Verstappen 1m25.305s Ricciardo 1m25.532s

Segundo Hamilton 1m25.639s Verstappen 1m25.761s

Terceiro Ricciardo 1m26.013s Bottas 1m26.062s

OS TURNOS MAIS LONGOS DA CORRIDA POR COMPOSTO:

Chuva (43 Voltas) – Vettel, Rosberg, Perez, Nasr, Alonso, Kvyat, Hulkenberg, Ocon, Hamilton e Sainz.

Intermédios (33 voltas) – Bottas

A NOSSA PREVISÃO: Realmente Lewis Hamilton venceu a corrida sem realizar um “pit stop”, mas trocou duas vezes de pneus. Trocou ambas as vezes quando a corrida se encontrava interrompida pela bandeira vermelha. Hoje, a estratégia planeada não era um factor decisivo, ao invés do tempo de reação para mudar as circustâncias e proporcionar aos pilotos as melhores opções para chegarem ao fim

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s