#F4 : #16ValvulasEntrevista Bruno Carneiro , nome a fixar!

Bruno Carneiro@ foto escolha pessoal
Bruno Carneiro@ foto escolha pessoal

O meu entrevistado de hoje tem 17 anos mas já é uma aposta segura para o futuro.

Chama-se Bruno Carneiro e nasceu no Brasil mas desde muito novo foi para os E.U.A. onde começou no Kart e tem feito uma carreira regular , com importantes conquistas que lhe permitiram ir para a Fórmula 4 na China onde esteve em destaque o que lhe valeu presença na Gala da F.I.A.

Nesta entrevista ficam a conhecer um pouco mais deste jovem com cara de míudo , onde nos revela ainda ambições para um futuro no “Motorsport” , quem sabe até na Fórmula1!

Em suma: mais uma entrevista para guardarem pois vão de certo ouvir falar neste nome no futuro. Aposta 16Válvulas!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16Válvulas

#Gp2 , #Gp3 , #ERC e #FR2.0 – #2016 em análise com Miguel Roriz

Miguel Roriz @foto de escolha pessoal
Miguel Roriz @foto de escolha pessoal

Esta é a altura do ano onde se fazem os balanços e se preparam novos anos competitivos.

Oportunidade por isso para voltarmos a ouvir o Jornalista do Eurosport Xtra 2 Miguel Roriz.

Assim nos próximos minutos vão poder perceber como se decidiram competições tão importantes como a GP2 e Gp3 que nos mostram os talentos do futuro.

Espreitámos ainda os Ralis , no caso o Europeu e no final percebemos o que se passou na competição Renault.

Em suma: mais um excelente resumo que não devem perder por nada!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16Válvulas

@F1 : #16ValvulasEntrevista Ann Bradshaw *entrevista em inglês

ENGLISH VERSION HERE

Ann Bradshaw @ foto escolha pessoal
Ann Bradshaw @ foto escolha pessoal

A historia da F1 das ultimas 4 décadas passa por esta minha entrevistada.

Ann Bradshaw foi a principal Relações Publicas da equipa de F1 Williams o que lhe permite não só abordar a faceta humana de varios pilotos que passaram pela equipa inglesa , mas também de outros pilotos com quem conviveu.

Assim nos próximos minutos vão poder ouvir falar de nomes tão conhecidos como Nigel Mansell  , Riccardo Patrese e outros.

Possibilidade ainda de sabermos quem foi o piloto mais difícil de trabalhar , bem como era trabalhar com um piloto do calibre de Nelson Piquet.

Inevitável era abordar Ayrton Senna , bem como saber como foi trabalhar no fatídico dia de 1 de Maio de 1994 , principalmente na sua função de Relações Públicas…

No final ficámos a saber que Ann está de regresso à F1 a tempo inteiro pois foi convidada para gerir a imagem do mais recente “Rookie” da F1: Lance Stroll.

Em suma: é como nós dizemos : a história da F1 passa nesta entrevista e não vão querer perdê-la por nada!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16Válvulas

@F1 : #BrazilGp by @Pirelli

GP BRASILE F1/2016 - INTERLAGOS (BRASILE) 12/11/2016  © FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)
GP BRASILE F1/2016 – INTERLAGOS (BRASILE) 12/11/2016
© FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)

NO CHUVOSO GRANDE PRÉMIO DO BRASIL, LEWIS HAMILTON VENCE PARA A MERCEDES E APROXIMA-SE PELA LUTA DO TITULO

NUMA ATRIBULADA CORRIDA, APENAS O CINTURATO INTERMÉDIO E OS PNEUS DE CHUVA MARCARAM PRESENÇA

BANDEIRAS VERMELHAS E SAFETY CARS INFLUENCIARAM A ESTRATÉGIA. HAMILTON VENCEU, DIVERSOS PILOTOS CONDUZIRAM EM CONDIÇÕES EXTREMAS

O piloto da Mercedes Lewis Hamilton, venceu um chuvoso e interrompido grande prémio do Brasil, utilizando apenas os pneus Cinturato Blue (composto de chuva), ao longo de dois dias maioritariamente disputados sob chuva, em Interlagos.

Devido à chuva abundante, o inicio da corrida fez-se atrás do Safety car, com todos os pilotos a utilizar os Pirelli´s Cinturato Blue (composto de Chuva) de acordo com o regulamento. Outro prematuro Safety car, permitiu a algumas equipes, incluindo a Red Bull, uma oportunidade para trocar para intermédios, com Max Verstappen a regressar à corrida na quarta posição, sendo o melhor classificado com este composto.

Após o acidente com o Ferrari de Kimi Raikkonen, houve um longo período com bandeira vermelha após a vigésima volta, com a corrida a iniciar novamente atrás do Safety Car. Este após a sua saída e logo ao fim de sete voltas, outra bandeira vermelha obrigou a outro recomeço atrás do Safety Car. Apenas algumas voltas mais tarde, alguns pilotos trocaram para os pneus intermédios quando a chuva continuava a cair, com a referência estabelecida pelo Daniel Ricciardo em Red Bull em determinados sectores. No entanto, a chuva forte que surgiu depois, revelou que o composto de chuva era o pneu certo para terminar a corrida.

Com a corrida a iniciar debaixo de chuva, não existe a obrigação de montar qualquer composto Slick, com os pilotos a utilizar apenas os compostos intermédio e de chuva para esta atribulada corrida.

Paul Hembery, Pirelli Motosport Director: “Fomos presenteados por um fantástico espétaculo em condições muito dificeis, com alguns pilotos a utilizar ambos os compostos de pneus, chuva e intermédios, de modo a ganhar vantagem numa corrida disputada roda a roda. Mais que tudo, estamos contentes porque os fans finalmente conseguiram ver uma corrida na totalidade, apesar dos atrasos. Foi uma corrida longa e complicada que deu momentos unicos de condução, por exemplo de Max Verstappen e Filipe Nasr a correr em casa, bem como Fernando Alonso que lutou na fase final. Todos mostraram como uma excelente condução é possivel, mesmo nestas condições extremas.”

Melhores tempos do dia por composto:

CHUVA INTERMÉDIOS

Primeiro Verstappen 1m25.305s Ricciardo 1m25.532s

Segundo Hamilton 1m25.639s Verstappen 1m25.761s

Terceiro Ricciardo 1m26.013s Bottas 1m26.062s

OS TURNOS MAIS LONGOS DA CORRIDA POR COMPOSTO:

Chuva (43 Voltas) – Vettel, Rosberg, Perez, Nasr, Alonso, Kvyat, Hulkenberg, Ocon, Hamilton e Sainz.

Intermédios (33 voltas) – Bottas

A NOSSA PREVISÃO: Realmente Lewis Hamilton venceu a corrida sem realizar um “pit stop”, mas trocou duas vezes de pneus. Trocou ambas as vezes quando a corrida se encontrava interrompida pela bandeira vermelha. Hoje, a estratégia planeada não era um factor decisivo, ao invés do tempo de reação para mudar as circustâncias e proporcionar aos pilotos as melhores opções para chegarem ao fim

#WTCC : #16ValvulasEntrevista Paulo Maria sobre fusão de #fotografia e #Motorsport

Paulo Maria@ foto escolha pessoal
Paulo Maria@ foto escolha pessoal

Mais uma vez o 16Válvulas apresenta em entrevista outro dos protagonistas do espetaculo do Desporto Motorizado : os fotógrafos.

Nesta ocasião trazemos até vós aquele que é unanimamente considerado um dos fotógrafos de top na elite Mundial. Falamos do português Paulo Maria.

Assim nos próximos minutos vão poder perceber o seu percurso desde o Rali de Portugal dos anos 90 quando acompanhava os troços de Arganil até aos dias de hoje onde se divide entre o WTCC , WRX , TT e até FórmulaE , numa carreira onde comemora quase um quarto de século.

Ocasião ainda de percebermos um pouco das ferramentas que utiliza no seu trabalho e que lhe faz produzir trabalhos fotográficos de qualidade ímpar.

Em suma: mais uma entrevista que nos orgulhamos de apresentar com um dos portugueses mais conhecidos a nível do Desporto Motorizado Mundial e que não devem perder por nada!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16Válvulas!

 

 

 

@F1 : #MexicoGp by @Pirelli

GP MESSICO F1/2016  - CITTA' DEL MESSICO (MESSICO) 28/10/2016  © FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)
GP MESSICO F1/2016 – CITTA’ DEL MESSICO (MESSICO) 28/10/2016
© FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)

LEWIS HAMILTON VENCE PARA A MERCEDES COM ESTRATÉGIA DE UMA PARAGEM.

ALGUMAS DAS VELOCIDADES MAIS ELEVADAS FORAM REGISTAS NO GP F1 MÉXICO.

ESTRATÉGIAS DE UMA E DUAS PARAGENS NO GRANDE PRÉMIO DO MEXICO. A MAIORIA DOS PILOTOS INICIOU COM PNEUS MACIOS E APENAS PAROU UMA VEZ

DANIEL RICCIARDO EM RED BULL COM UMA ESTRATEGIA ALTERNATIVA,TROCOU PARA MÉDIOS NA PRIMEIRA VOLTA E UTILIZOU OS TRÊS COMPOSTOS

O piloto da Mercedes Lewis Hamilton, saiu da “pole” e venceu o grande Prémio do México após um começo com pneus macios e utilizando uma estratégia de apenas uma paragem, onde trocou para o composto médio. Durante a corrida o piloto da Wiliams, Valtteri Bottas, foi cronometrado a 372 KM/H (com pneus médios), marca próxima da velocidade mais elevada registada numa prova de Fórmula Um.

A grande maioria dos pilotos começou a corrida com pneus macios, incluindo os dois Mercedes que ocuparam os dois primeiros lugares da grelha. Logo atrás deles, encontravam-se os dois Red Bulls que começaram com Supermacios, que teoricamente permitia um arranque e inicio de corrida mais rápido, em detrimento de um primeiro turno mais curto. No entanto, Daniel Ricciardo alterou para o composto médio na primeira volta, devido ao Safety Car Virtual, antes de completar a sua segunda paragem para realizar um rápido turno final com o composto macio, no final acabou na terceira posição, após utilizar os três compostos.

Todos os pilotos à exceção do Toro Rosso de Daniil Kvyat optaram pelos pneus médios para o segundo turno, (com o Sauber de Felipe Nasr que iniciou com médios). O Ferrari de Sebastian Vettel completou um longo turno com o composto macio e fez a única troca de macio para médio na volta 32. Nasr realizou o primeiro turno mais longo da corrida, iniciou com composto médio e trocou para Supermacios apenas na volta 49, demonstrando a consistência de todos os compostos ao longo da corrida. O Renault de Jolyon Palmer também realizou quase a totalidade da corrida com apenas o composto Médio,`à exceção da primeira volta.

Durante os treinos livres, as condições climatéricas foram quentes com a temperatura da pista próximo dos 40 graus ao longo da disputa do grande prémio. O comprimento da reta do Pit lane, foi parte fundamental da estratégia de hoje, sendo a mais longa da época, condicionando o aumento do tempo necessário para a realização de um Pit Stop.

Paul Hembery, Pirelli Motosport Director: “A corrida de hoje contou com o forte factor estratégia, e com a primeira linha da grelha a iniciaram com o composto macio e a segunda linha com pneus supermacios. Existiam muitas duvidas sobre as estratégias a utilizar na corrida, com as equipes a ter de reagir às possiveis oportunidades que a corrida poderia proporcionar. Porém e como esperado, a maioria dos pilotos foi capaz de completar a corrida com apenas uma paragem, extraindo um menor desgaste da utilização dos pneus.”

Melhores tempos do dia por composto:

Médio Macio Supermacio

Primeiro VET 1m22.497s RIC 1m21.134s MAG 1m23.146s

Segundo RAI 1m22.512s HAM 1m23.045s VES 1m23.397s

Terceiro HAM 1m22.596s VET 1m23.197s KVY 1m23.618s

OS TURNOS MAIS LONGOS DA CORRIDA POR COMPOSTO:

Médio Ericsson,Palmer 69 voltas

Macio Kvyat 34 voltas

Supermacio Kvyat 23 voltas

A NOSSA PREVISÃO: Lewis Hamilton iniciou com pneus macios e parou na volta 17 para colocar o composto medio. A mesma estratégia foi realizada pelo seu companheiro de equipe que obteve a segunda posição, após parar na volta 20.

@F1 : @USGp by #Pirelli

GP USA F1/2016 - AUSTIN (TEXAS) 23/10/2016  © FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)
GP USA F1/2016 – AUSTIN (TEXAS) 23/10/2016
© FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)

O PILOTO DA MERCEDES, LEWIS HAMILTON, VENCE O GRANDE PRÉMIO DOS ESTADOS UNIDOS COM UMA ESTRATÉGIA DE DUAS PARAGENS, APROXIMANDO-SE PELA LUTA DO CAMPEONATO

DIVERSAS ESTRATÉGIAS EM AUSTIN – DE UMA A TRÊS PARAGENS.

TODOS DOS TRÊS COMPOSTOS NO INICIO DA CORRIDA

GRANDES VARIAÇÕES NAS ESTRATÉGIAS, COM AS EQUIPES TAMBÉM A REAGIRAM ÀS TÁTICAS DAS OUTRAS

O piloto da Mercedes, Lewis Hamilton venceu o quarto grande Prémio dos Estados Unidos em Austin, com uma estratégia de duas paragens, como esperado, após uma corrida caracterizada por uma extrema batalha tática. Observámos seis estratégias diferentes nos dez primeiros, com os líderes sempre juntos do inicio ao fim apesar de táticas díspares entre si. Quatro pilotos dos dez primeiros, utilizaram a totalidade dos três compostos durante o grande prémio, mas Hamilton foi o único nos dez primeiros que optou pelo compostos Macio – Macio – Médio

Todos os três compostos foram utilizados no inicio da corrida, e dos dez primeiros apenas os dois pilotos da Mercedes e Max Verstappen em Red Bull, iniciaram a corrida com pneus macios, após este composto realizar o melhor tempo de ontem na Q2. Rosberg foi o único dos da cabeça da corrida a optar pelo composto médio para o seu turno do meio, elegendo-o novamente para realizar o seu ultimo turno. Hamilton e Rosberg, fizeram as ultimas trocas de pneus quando faltavam 24 voltas para o terminus da corrida, sob um virtual “Safety Car”, que poderá ter influenciado a escolha pelo composto médio para conclusão da prova.

A maioria dos pilotos completou duas paragens, embora antes da desistência, Kimi Raikkonen realizou três paragens, como assim, Vettel optou pela mesma opção, trocando a apenas três voltas do fim. Ambos os Saubers e o Toro Rosso de Daniil Kvyat apenas pararam uma vez.

A estratégia de duas paragens não foi adotada por todos, os pilotos da Williams Valtteri Bottas e Felipe Massa apenas realizaram uma paragem e ambos terminaram nos pontos. Ambos os Renault´s e os Saubers também pararam apenas uma vez.

A corrida disputou-se com condições climatéricas quentes e secas, com a temperatura da pista próximo dos 34 graus, semelhantes condições registadas na qualificação de ontem.

Paul Hembery, Pirelli Motosport Director: “Com seis estratégias diferentes nas 10 primeiras posições, as estratégias de pneus foram um trabalho árduo. O Safety Car virtual teve um impacto notável na corrida do Daniel Ricciardo, permitindo para que alguns pilotos realizassem um pit stop final de modo a ganha posição na pista ”.

Melhores tempos do dia por composto:

Médio Macio Supermacio

Primeiro ROS 1m41.897s SAI 1m42.832s VET 1m39.877s

Segundo HAM 1m42.386s VES 1m43.056s RAI 1m41.841s

Terceiro VES 1m42.424s VET 1m43.096s MAG 1m42.475s

OS TURNOS MAIS LONGOS DA CORRIDA POR COMPOSTO:

Médio Ericsson 38 voltas

Macio Nasr, Sainz 26 voltas

Supermacio Vettel, Raikkonen 14 voltas

A NOSSA PREVISÃO: Previmos que teoricamente a estratégia vencedora para as 56 voltas da corrida fosse com duas paragens, o que aconteceu.

Lewis Hamilton iniciou com pneus macios, parou na volta 11 para colocar novamente o composto macio, e na volta 31 com o Safety car virtual acionado trocou para o composto médio.

@F1 : #16ValvulasEntrevista Zak Brown (Entrevista em inglês)

English Version , click Here

Zak Brown @ foto escolha pessoal
Zak Brown @ foto escolha pessoal

Oportunidade de apresentarmos em entrevista um dos novos rostos da F1 e que seguramente vai ter uma palavra a dizer sobre o futuro da modalidade.

Assim nos próximos minutos vão poder ficar a conhecer um pouco mais de Zak Brown , americano que além de nos seu currículo ter muita experiência em Marketing desportivo , nomeadamente relacionado com a entrada de novos patrocinadores na F1 , tem também um passado de competição como piloto e diretor da equipa United Motorsports.

No final oportunidade de percebermos a sua opinião sobre o desfecho do Mundial de F1 para este ano , onde revela a sua preferência entre os 2 pilotos que vão decidir o Campeonato de Pilotos deste ano.

Em suma: Mais um entrevista importante , com um exclusivo Mundial no que à imprensa especializada em Desporto Motorizado e que o 16Válvulas se orgulha de apresentar:

Cliquem AQUI para ouvirem e partilharem o Podcast do 16Válvulas

@F1 : @MalaysiaGp by @Pirelli

GP MALESIA F1/2016 - KUALA LUMPUR 02/10/2016  © FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)
GP MALESIA F1/2016 – KUALA LUMPUR 02/10/2016
© FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)

 

O PILOTO DA RED BULL, DANIEL RICCIARDO, VENCE O GRANDE PRÉMIO DE SEPANG COM ESTRATÉGIA DE DUAS PARAGENS E UMA TEMPERATURA DE PISTA DE 59 GRAUS

ESTRATÉGIAS CONDICIONADAS PELOS TRÊS“SAFETY CARS” VIRTUAIS

DOIS PILOTOS PARAM APENAS UMA VEZ E TERMINAM NOS PONTOS NUM EMOTIVO GRANDE PRÉMIO DA MALÁSIA

Daniel Ricciardo em Red Bull venceu o grande prémio da Malásia, sob uma temperatura de pista com 59 graus – A corrida mais quente registada este ano.

Duas paragens foi a estratégia vencedora como previsto, mas as táticas foram condicionadas pelos três períodos de “Safety Cars” virtuais registadas ao longo da corrida – o segundo período proporcionou a possibilidade de apenas realizar uma corrida com duas paragens.

Muitos pilotos obteram vantagem na troca para o composto duro, que apenas o utilizaram na corrida porque foi nomeado como um dos conjuntos obrigatórios com dois jogos de pneus. Mas, o Red Bull de Max Verstappen foi o unico piloto que terminou nos primeiros quatro classificados que trocou novamente para macios, durante o mesmo período. Este facto, ajudou-o a ganhar vantagem face aos seus concorrentes antes de emergir na sua segunda paragem, ficando em segundo lugar após o piloto da Mercedes, Lewis Hamilton deixar a liderança devido a um problema mecânico, no que parecia estar definido uma estratégia de apenas uma paragem.

Ricciardo também podería ter adotado uma estratégia de apenas uma paragem, mas ganhou vantagem no período do terceiro Safety Car Virtual para realizar uma paragem final, como também diversos pilotos aproveitaram tal situação, incluindo Verstappen que terminou atrás do seu companheiro de equipe, proporcionando à Red Bull realizar os dois primeiros lugares.

Uma estratégia alternativa foi utilizada pelo piloto Valtteri Bottas em Williams, que iniciou a corrida na 11ª posição da grelha com pneus médios e terminou na quinta posição após uma paragem. Jolyon Palmer tentou uma estratégia semelhante, iniciou na 19ª posição da grelha com pneus duros e trocou posteriormente para macios, terminando na 10.ª posição.

Paul Hembery, Pirelli Motosport Director: “ A possibilidade de duas paragens esteve muito próxima de ser a opção mais rápida, face à estratégia de três paragens como previmos teoricamente como a mais eficaz, no entanto observámos uma fascinante batalha estratégica entre a Mercedes e a Red Bull, com a Red Bull a dividir as suas estratégias para bater a Mercedes. No final, foram os Safety Cars que condicionaram as estratégias. Também vimos algumas estratégias diferentes de uma só paragem, com alguns pilotos a iniciarem com os compostos duro e médio. Tudo isto, foi possivel graças à gestão da degradação do inicio ao fim, apesar de contarmos com as temperaturas de pista mais elevadas que vimos ao longo do ano”.

Melhores tempos do dia por composto:

Duro Médio Macio

Primeiro HAM 1m38.595s MAS 1m39.920s ROS 1m36.424s

Segundo ROS 1m38.757s PER 1m41.040s VES 1m37.376s

Terceiro VES 1m38.930s HUL 1m41.342s RIC 1m37.449s

OS TURNOS MAIS LONGOS DA CORRIDA POR COMPOSTO:

Duro Palmer 31 voltas

Médio Nasr 32 voltas

Macio Palmer 25 voltas

A NOSSA PREVISÃO: Previmos a estratégia vencedora com três paragens.

No final, Daniel Ricciardo parou duas vezes, no entanto a sua segunda paragem foi condicionada pelo aparecimento do Safety car virtual. O Australiano começou com macios (como todos, menos quatro pilotos), trocou para para duros na volta 21, e na volta 41 trocou para macios.