#F4 : #16ValvulasEntrevista Bruno Carneiro , nome a fixar!

Bruno Carneiro@ foto escolha pessoal
Bruno Carneiro@ foto escolha pessoal

O meu entrevistado de hoje tem 17 anos mas já é uma aposta segura para o futuro.

Chama-se Bruno Carneiro e nasceu no Brasil mas desde muito novo foi para os E.U.A. onde começou no Kart e tem feito uma carreira regular , com importantes conquistas que lhe permitiram ir para a Fórmula 4 na China onde esteve em destaque o que lhe valeu presença na Gala da F.I.A.

Nesta entrevista ficam a conhecer um pouco mais deste jovem com cara de míudo , onde nos revela ainda ambições para um futuro no “Motorsport” , quem sabe até na Fórmula1!

Em suma: mais uma entrevista para guardarem pois vão de certo ouvir falar neste nome no futuro. Aposta 16Válvulas!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16Válvulas

@F1 : #ChinaGp – análise by #Pirelli

SHANGHAI (CINA) - 17/04/2016 © FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)
SHANGHAI (CINA) – 17/04/2016
© FOTO STUDIO COLOMBO PER PIRELLI MEDIA (© COPYRIGHT FREE)

O piloto da Mercedes Nico Rosberg, obteve a vitória a partir da pole, utilizando uma estratégia de duas paragens no G.P. da China, sendo uma das corridas com mais ação e disputada do ano. A maioria dos pliotos optou pela estratégia com três paragens, no entanto referente a este tema houve diversas variantes. Rosberg venceu, utilizando uma estratégia de duas paragens com os compostos (macio/macio/médio), igual estratégia utilizada pelo Felipe Massa em Williams que terminou na sexta posição. Uma estratégia muito diferente foi usada pelo piloto da Mercedes, Lewis Hamilton, que obteve a sétima posição, atrás de Massa, e apesar de parar cinco vezes deviddo a “pit Stop´s” e depois de começar a prova de trás, devido a um problema técnico na sessão de qualificação. No total, houve 13 pilotos que utilizaram os três compostos disponíveis, numa forte demonstração de como os novos regulamentos de pneus, contribuíram para que diversas táticas e estratégias sejam possiveis durante um grande prémio.

Paul Hembery, diretor da Pirelli Motorsport: “ A maioria das equipes que vieram até ao Grande Prémio da China, o qual tivemos o prazer de patrocinar este ano, e que não secou muito como elas gostariam. Como resultado, as previsões das estratégias foram mais dificeis, mas a Mercedes e Rosberg realizaram exatamente as melhores opções após iniciar com o pneu de composto macio. Isto demonstra realmente, como a estratégia começa antes das sessões de qualificação. Xangai é um dos circuitos mais exigentes do ano, mas a vitória de Nico Rosberg foi alcançada apenas com duas paragens. No lugares seguintes, uma variedade de diferentes estratégias foram utilizadas, sublinhando como as equipas estão a utilizar a opção de usar os três compostos com grande regularidade. ”

Tempos mais rápidos do dia por composto:

Médio Macio Supermacio
Primeiro
ROS 1m40.418s
VES 1m40.399s
HUL 1m39.824s
Segundo
HAM 1m40.662s
ROS 1m40.580s
GRO 1m39.923s
Terceiro
RIC 1m41.015s
NAS 1m40.582s
BUT 1m40.298s

Os maiores turnos da corrida por composto:

Médio Perez 28 (voltas)
Macio Vettel 21
Supermacio Vettel 13

Previsão Pirelli: A nossa previsão para a estratégia mais rápida, era com três paragens, iniciando com o composto supermacio e trocar para o macio nas voltas 11, 26 e 41. No entanto, pensámos que seria interessante que Rosberg iniciasse com o composto macio, novamente para macio nas voltas 16 e 31 e para o ultimo turno, na volta 46 , colocar supermacio. No final, apenas parou duas vezes, trocou para macio na volta 16 e trocou para médio na volta 39.

Dakar 2014: Carlos Sousa em antevisão exclusiva no 16Válvulas

imagem Dakar 2013
imagem Dakar 2013

A poucos dias de dar inicio à aventura Dakar 2014 , Carlos Sousa , piloto português da equipa da Republica Popular da China , Great Wall , vem ao 16Válvulas fazer uma antevisão.

Assim dá para perceber os preparativos que passaram por apenas presença num Rallye em Setembro o que faz com que as expetativas de melhor resultado passem por um lugar no Top 10 .

Nota final para a presença confirmada de Carlos Sousa , com o seu navegador habitual e atual Campeão de Portugal de CPTT , Miguel Ramalho a quem se junta Luis Ramalho em estreia nesta edição como elemento de ligação.

Em suma : mais uma importante entrevista com um dos pilotos portugueses presentes no Dakar 2014 , que não deve perder por nada!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16Válvulas

Dakar 2014 – Carlos Sousa prepara a prova na China

Carlos Sousa
Carlos Sousa

Carlos Sousa prolonga ligação à Great Wall Motors e vai disputar o Grande Rali da China a partir deste domingo

Preparando o regresso ao Rali Dakar em janeiro de 2014, de novo para representar as cores do maior fabricante automóvel privado da China, a Great Wall Motors , Carlos Sousa vai participar, já a partir deste domingo e até ao próximo dia 29 de setembro, na 1ª edição do Grande Rali da China. A prova, uma espécie de Dakar asiático, será disputada ao longo de 6 mil quilómetros e 15 etapas, ligando a capital Pequim à província de Gansu, no noroeste da China…

Oito meses depois de completar o seu 14º Dakar, terceiro ao serviço da equipa Great Wall Motors, Carlos Sousa está de regresso à competição, iniciando, já a partir deste domingo, 15 de setembro, em Pequim, a participação na primeira edição do Grande Rali da China, considerado uma espécie de Dakar asiático, quer pela sua extensão, quer pelos meios envolvidos na sua organização.

Com estatuto de cabeça-de-cartaz da prova idealizada e dirigida pelo francês Hubert Auriol, Carlos Sousa, que recentemente prolongou a sua ligação à Great Wall Motors, será um dos 120 participantes a largar, amanhã, do Estádio Olímpico de Pequim, para esta longa e debutante maratona, disputada ao longo de 6.008 quilómetros, divididos por 15 etapas.

“Será a minha estreia competitiva no continente asiático e uma oportunidade fantástica para ganhar algum ritmo competitivo e preparar a participação no próximo Dakar”, afirma Carlos Sousa, que nesta participação voltará a fazer dupla com Miguel Ramalho.

“É uma prova completamente nova, pelo que não sei o que poderemos esperar em termos de dificuldades. Em todo o caso, acredito que a passagem pelo deserto de Gobi (o quinto maior do mundo em extensão) poderá constituir o ponto alto deste rali”, admite o piloto, sem rejeitar alguma dose de favoritismo.

“Vou entrar nesta prova para dar o meu melhor e, se possível, lutar pela vitória, aproveitando a nossa experiência. Sei que há algumas equipas europeias inscritas, embora a grande maioria sejam pilotos locais, cujo nível competitivo desconheço. A exceção é mesmo o meu colega de equipa – o chinês Zhou Yong – que se preparou bastante para esta prova e poderá ser um forte adversário, pelo seu conhecimento privilegiado do terreno”.

“Em todo o caso” – e tal como sublinha Carlos Sousa –, “mais do que o resultado desportivo, quero mesmo é fazer quilómetros e validar as últimas evoluções introduzidas no SUV Haval, nomeadamente ao nível das suspensões e da gestão eletrónica do motor. Duas novidades que, pelo que já pude constatar em França, durante um curto teste que realizámos no final de agosto, poderão representar um importante salto competitivo em termos de performance. Agora, é preciso encontrar o melhor setting”, revela o português, já com os olhos postos no Dakar 2014.

“Costumo sempre dizer que, se uma equipa quiser ter a ambição de lutar por um pódio no Dakar, precisa evoluir o seu carro a cada seis meses… Continuamos muito longe do potencial e dos meios à disposição das principais equipas do pelotão, mas vamos, pelo menos, procurar não baixar a nossa performance”, conclui Carlos Sousa, que nas três últimas participações no Dakar com a Great Wall Motors garantiu sempre um fantástico 6ºlugar da classificação final.

Formula1: Gp da China : 3 paragens foi a estratégia do vencedor

Podio GP China 2013
Podio GP China 2013

Fernando Alonso obteve a sua primeira vitória do ano na China, com uma estratégia de três paragens. O piloto da Ferrari partiu da terceira posição na grelha de partida com os pneus macios P Zero Amarelos e depois fez mais três tiradas com pneus médios P Zero Brancos para vencer a corrida com uma vantagem de 10,1 segundos sobre o piloto da Lotus Kimi Raikkonen.

O tempo acumulado de corrida de Alonso, 1h36m26,945s, foi quase igual ao do vencedor da corrida do ano passado: 1h36m26,929s por Nico Rosberg. No entanto, o tempo da volta mais rápida da corrida, 1m36,808s por Sebastian Vettel com pneus macios, superou em mais de três segundos o registo do ano passado na China (Kamui Kobayashi, 1m39,960s), pondo em evidência a performance extra dos pneus Pirelli de 2013.

Os pilotos iniciaram a corrida utilizando uma grande diversidade de estratégias, com muitas equipas a optar por táticas distintas para os seus dois pilotos. Jenson Button (McLaren), Sebastian Vettel (Red Bull), Nico Hulkenberg (Sauber), Paul di Resta (Force India), Sergio Perez (McLaren), Jean-Eric Vergne (Toro Rosso) e Valtteri Bottas (Williams) começaram todos com pneus médios, os outros pilotos com pneus macios.

Todos os quatro primeiros usaram uma estratégia de três paragens, com Jenson Button em McLaren, que terminou em quinto, a ser o melhor classificado dos pilotos que só pararam duas vezes. Button completou a tirada mais longa com pneus médios no início da corrida, ao fazer 23 voltas com os pneus com que partiu.

O Diretor da Pirelli Motorsport, Paul Hembery, disse: “A estratégia desempenhou um papel-chave na corrida de hoje, com os pneus médios a provar serem particularmente eficientes no começo da corrida com os tanques cheios de combustível. Isso premiou inicialmente os pilotos que começaram com pneus médios e também significou que aqueles que começaram com pneus macios fizeram uma primeira tirada curta de forma a mudar para pneus médios o mais rapidamente possível. Como resultado, assistimos a imensas ultrapassagens, com muitas das estratégias baseando-se nos pilotos ultrapassarem o maior número de carros possível, para ganhar posições em pista antes das suas próximas paragens. Foi a degradação, mais que o desgaste real dos pneus, que ditou a estratégia, mas ainda assistimos a tempos de volta consistentes com pneus médios, mesmo em longas tiradas de 15 ou mais voltas. Uma vez mais, assistimos a uma ampla diversidade de estratégias de corrida, com Button e Vettel a optar por correr com pneus macios na parte final da corrida. Isso proporcionou-nos uma batalha emocionante pelo último lugar no pódio entre Lewis Hamilton e Sebastian Vettel que se prolongou até exibição da bandeira de xadrez no final da prova. Esta corrida teve o terceiro vencedor diferente nas três corridas disputadas até agora nesta temporada, com cinco campeões mundiais a terminaram nos cinco primeiros lugares da corrida de hoje…”

Tempos mais rápidos do dia por composto:

Médio Macio Intermédio Chuva
Primeiro ALO – 1m39,506s VET – 1m36,808s N/A N/A
Segundo RAI – 1m39,955s BUT – 1m38,058s N/A N/A
Terceiro HAM – 1m39,981s BOT – 1m38,200s N/A N/A

Tirada mais longa da corrida:

Macio 7    voltas BUT, CHI, GRO, HUL, MAL, MAS, PER
Médio 26  voltas BUT
Intermédio N/A N/A
Chuva N/A N/A

Avaliação da correção de previsões:

A estratégia vencedora de três paragens nas boxes foi exatamente a que os nossos engenheiros haviam previsto ontem. Previmos que três paragens seria a estratégia mais rápida: começar com pneus macios, mudar para médios entre as voltas seis a nove, voltar a trocar para médios entre as voltas 22 a 26 e de novo para médios entre as voltas 39 a 43.

Alonso começou com pneus macios, mudou para médios na volta seis, de novo para médios na volta 23 e finalmente mais uma vez para médios na volta 41.

F1 – Gp China 2013 : Pirelli antevê estratégias diversas

Vettel na China
Vettel na China

Lewis Hamilton conseguiu a sua primeira pole position na Mercedes, com uma marca de 1m34,484s, usando os pneus macios Pirelli P Zero Amarelos: mais de meio segundo melhor que o tempo da pole do ano passado. Os pneus médios Pirelli P Zero Brancos B foram também escolhidos para o GP da China.

A maioria dos pilotos, à exceção dos dois da Toro Rosso (que iniciaram a qualificação com pneus médios) usaram os pneus macios P Zero Amarelos em apenas uma tirada na Q1, que começou com uma temperatura ambiente de 27º C e de 41º C ao nível da pista.

A sessão Q3 final forneceu uma indicação importante sobre as estratégias de corrida para amanhã, que parece que irão ser muito variadas. Sebastian Vettel da Red Bull e Jenson Button da McLaren optaram por sair para a pista com pneus médios, mas só Button é que estabeleceu um tempo com esses pneus. Em consequência, Vettel – bem como Nico Hulkenberg em Sauber, que também não fez um tempo – poderão escolher qual o composto com que iniciarão a corrida amanhã.

O Diretor da Pirelli Motorsport, Paul Hembery, disse: “Ficou claro que a estratégia de pneus irá ter um papel-chave amanhã e vimos isso hoje na qualificação. Com uma diferença de cerca de 1,5s entre os pneus médios e macios, fazer a qualificação usando os pneus macios era a escolha natural em termos de obter tempos. No entanto, os pneus macios dão o seu melhor rendimento na qualificação em apenas uma volta – um pouco como os pneus de qualificação que se usaram no passado – e foi por isso que os pilotos esperaram até tarde em muitas das sessões para sair e fazer um tempo. Embora a degradação dos pneus se reduza quando o peso do combustível diminuir e mais borracha se depositar amanhã na pista, os pneus médios parecem ser os que serão os mais usados na corrida. Assim, isso irá verdadeiramente abrir um leque de muitas diferentes possibilidades em termos de estratégia. Pensamos que a maioria dos pilotos irá optar por fazer três paragens nas boxes, em especial aqueles que começam com pneus médios. Se tivéssemos trazido para aqui os pneus duros, provavelmente iríamos assistir a uma paragem. Por isso, embora a degradação dos pneus macios tenha sido elevada até agora, estamos confiantes em que iremos ter outra corrida cheia de ação amanhã – como tão frequentemente tem sido o caso na China.”

O prognosticador misterioso de estratégia da Pirelli:

Três paragens nas boxes parece ser a estratégia mais rápida para as 56 voltas da corrida de amanhã: começar com pneus macios, trocar para médios entre as voltas seis e nove, outra vez médios nas voltas 22 a 26 e uma vez mais médios entre as voltas 39 e 43.

Uma estratégia alternativa seria começar com pneu médios, trocar para outro jogo de médios entre as voltas 15 e 18, mais um jogo de médios entre as voltas 33 e 35 e mudar para um jogo de macios cerca da volta 46.

É possível uma estratégia de duas paragens para as equipas que mantenham sob controlo a degradação dos pneus macios. Contudo, isso irá deixar quem faça duas paragens vulnerável face aos pilotos atrás de si que façam três paragens, a não ser que se reduza a diferença em tempos de volta entre os dois compostos.

Compostos mais rápidos na FP3:

1. F. Alonso 1m35,391s Macio Novo
2. F. Massa 1m36,013s Macio Novo
3. L. Hamilton 1m36,065s Macio Novo


Pneus usados pelos 10 mais rápidos:

Hamilton Macio Novo 1m34,484s
Raikkonen Macio Novo 1m34,761s
Alonso Macio Novo 1m34,788s
Rosberg Macio Novo 1m34,861s
Massa Macio Novo 1m34,933s
Grosjean Macio Novo 1m35,364s
Ricciardo Macio Novo 1m35,998s
Button Médio Novo 2m05,673s
Vettel Médio Novo Sem tempo
Hulkenberg Macio Usado Sem tempo

Formula1 : Gp China 2013-Pirelli faz previsão de duas a três paragens nas boxes

Pneus Pirelli preparados
Pneus Pirelli preparados

Os pilotos tiveram o seu primeiro contato com os 5,451 km do circuito de Xangai durante as duas sessões de treinos livres efetuadas hoje, com o piloto da Mercedes Nico Rosberg a ser o mais rápido com os pneus P Zero Brancos médios, de manhã, e o Ferrari de Felipe Massa a fazer o melhor tempo com os pneus macios P Zero Amarelos, de tarde. Também se verificaram performances excecionais entre as outras equipas menos cotadas, com Jules Bianchi da Marussia a dada altura a ser o 11.º mais rápido na FP2 com os pneus macios. Os pilotos também utilizaram os pneus médios na FP1, sendo Mark Webber da Red Bull o primeiro a trocar para os pneus macios meia hora após o início da FP2. O tempo mais rápido de Massa na FP2 já esteve perto do tempo da pole position do ano passado.

O Diretor da Pirelli Motorsport, Paul Hembery, disse: “A degradação do composto médio não foi demasiada: 0,2 segundos por volta esteve de acordo com aquilo que esperávamos. Por exemplo, o tempo mais rápido de Rosberg na FP1 foi estabelecido com um jogo usado de pneus médios que já tinham feito dez voltas e Massa também completou uma tirada bastante longa com pneus macios na FP2. No total, esperamos que os pneus macios durem entre 11 a 12 voltas na corrida e os pneus médios cerca de 18 voltas. Isso poderia sugerir um máximo de três paragens nas boxes, mas também é possível que vejamos duas paragens, se as condições da pista continuarem a evoluir ao presente ritmo. Verificámos alguma granulação no pneu esquerdo dianteiro, em particular no pneu macio, o que originou uma degradação com um nível mais alto do que gostaríamos embora acreditemos que essa degradação se irá reduzir à medida que o fim de semana prossegue. A diferença de performance entre os dois compostos é cerca de 1,5s, um pouco mais alta do que esperávamos inicialmente, mas o fim de semana ainda mal começou.”

Pneus mais rápidos do dia:

FP1: FP2:
1. N. Rosberg 1m36,717s Médio Usado 1. F. Massa 1m35,340s Macio Novo
2. L. Hamilton 1m37,171s Médio Usado 2. K. Raikkonen 1m35,492s Macio Novo
3. M. Webber 1m37,658s Médio Usado 3. F. Alonso 1m35,755s Macio Novo

Estatísticas do dia dos pneus:

Macio Médio Intermédio Chuva
Quilómetros percorridos* 1411 4295 N/C N/C
Total de jogos utilizados** 26 46 N/C N/C
Maior número de voltas** 14 27 N/C N/C

 * Este número indica a quantidade total de quilómetros feitos hoje nas sessões 1 e 2 de treinos livres pelo conjunto de todos os pilotos.

** Por composto, pelo conjunto de todos os pilotos.

Que a Força esteja contigo:

Máximo de força G na travagem (força longitudinal): Curva 14 @ -4,9g
Máximo de força G em curva (força lateral):  Curva 7 @ 4,1 g

Factos do dia da Pirelli:

Nos nove GP da China de F1 disputados até agora houve oito vencedores diferentes: só Lewis Hamilton venceu por duas vezes (em 2008 e 2011). Mark Webber é o único piloto a terminar no pódio que iniciou a corrida fora das 10 primeiras posições da grelha de partida (em 2011, quando saiu em 18.º e acabou em 3.º). E se Kimi Raikkonen terminar nos pontos no domingo, ultrapassará Sebastian Vettel na lista de pilotos com o maior número de corridas seguidas pontuáveis na F1. Neste momento, Raikkonen e Vettel têm ambos 19 resultados pontuáveis consecutivos. Só Michael Schumacher (24) e Fernando Alonso (22) têm mais.

E vamos para o Brasil…

A prova da China foi decisiva… para levar a disputa do titulo para o Brasil. Numa prova molhada Hamilton errou, e errou quando não podia errar, numa má estratégia o Inglês levou os pneus aos limites e acabou por rodar e ficar preso na terra.  E quem lucrou? A F1, Alonso e Raikkonen, a próxima corrida tinha tudo para ser um passeio para Hamilton, mas o seu erro, a vitória de Raikkonen e o segundo lugar de Alonso fez com que os 3 chegassem a Interlagos com 7 pontos de diferença. Massa foi terceiro, e esquece as esperanças remotas de titulo.

A Surpresa da corrida foi Vettel, o piloto da STR foi 4º, num resultado que espreitou na semana passada, mas que se consumou agora, Button colocou o Honda em 5º, frente ao Toro Rosso de Liuzzi. Em 7º ficou Heidfeld e em 8º Coulthard.