Moto3 – Moto2 – MotoGp – como vai ser em 2013? Aires Pereira explica

Foi assim em 2012. E em 2013?
Foi assim em 2012. E em 2013?

Para 2013 teremos algumas alterações. Desde já e em MotoGP o facto de termos Marques, Pedrosa, Lorenzo e Rossi a competir com material de primeira (Honda, Yamaha), prevendo desde já que esta época seja a mais competitiva desde há alguns anos. Como será o encontro de duas estrelas (Marquez e Rossi), uma em ascensão e outra nos seus derradeiros anos? As CRT mais próximas das motos de MotoGP.

Em Moto2 a competitividade deverá manter-se com motos muito iguais, levando a que os pilotos se superem a eles mesmo para conseguir pontuar num pelotão de quase 40 motos. Quem terá uma palavra a dizer? Iannone, Terol, Johann Zarco e Cortese, para além Redding e Louis Rossi, poderão estar na extremidade capaz de sair vitorioso.

Em Moto3, para além de Miguel Oliveira, que contamos venha a fazer uma época surpreendente, temos Maverick Viñales, Romano Fenati, Luis Salom, Alex Rins e Jonas Folger. O jovem Alex Marquez, irmão do “menino-prodígio” e campeão 2012 do campeonato de velocidade espanhol (vice campeão em 2011) também será uma peça a ter em atenção.

Quanto a regras, teremos também algumas alterações. No campo disciplinar passará a vigorar um sistema de pontos que irá até 10, sendo este número de pontos equivalente a desqualificação no GP seguinte. Existirão alterações aos pneus e características técnicas da moto e em MotoGP teremos treinos de qualificação através do sistema já existente em F1 ou Superbikes, com “super pole”.

Estaremos atentos!

 

Taça Iberica 2012 – Balanço no 16Válvulas com Jorge Góis

Cartaz Oficial
Cartaz Oficial

Poucos dias depois da conclusão da edição de 2012 da Taça Ibérica procurámos um balanço com o seu responsavel máximo , Jorge Gois.

Assim nos próximos minutos ficamos a perceber que tudo correu bem , sem incidentes de monta e que os pilotos portugueses se superiorizaram aos espanhois.

Destaque ainda para a presença dos principais nomes das Motos que estiveram e venceram na recente Baja de Portalegre e que deram espetaculo em Valverde , Évora.

Em suma: Mais uma importante entrevista , com o sêlo de qualidade do 16Válvulas , que não deve perder !

 

Cliquem aqui para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16valvulas

MotoGp #9 , GP Italia , Mugello – Crónica 16valvulas by Aires Pereira

Lorenzo, Pedrosa, Dovizioso e Hayden
Lorenzo, Pedrosa, Dovizioso e Hayden

MotoGP, Mugello (Itália)

Em primeiro lugar as desculpas aos nossos leitores pela ausência de crónicas desde o GP de Silverstone (UK). Por impossibilidades técnicas tal não consegui manter as crónicas em dia. Daí uma pequena retrospectiva destas provas impõe-se, naturalmente.

À saída da Catalunha Lorenzo comandava com 20 pts de vantagem sobre Stoner e 30 sobre Pedrosa, respectivamente 2 e 3 classificados no campeonato. Esta prova não foi um marco na emoção viu novamente Lorenzo vencer à frente de Stoner e Pedrosa que assim viram aumentar a diferença pontual para o espanhol. Chegava-se então a Assen onde Álvaro Bautista com uma entrada desastrosa na 1ª curva leva com ele Lorenzo, deixando assim uma excelente oportunidade para Stoner recuperar o atraso, situação que foi aproveitada em pleno pelo australiano passando o seu companheiro de equipa mesmo no final. Stoner ganha e iguala em pontuação Lorenzo. Pedrosa ficava com o 2º lugar e Dovizioso arrecada o último lugar do pódio. Mas uma semana depois na Alemanha, em Sachsenring, viria a acontecer exactamente o contrário, mas muito mais dramático, visto Stoner ter caído a cerca de 500 mts da meta (na última volta) quando tentava recuperar a 1ª posição a Pedrosa. Com isto, Lorenzo recupera exactamente os pontos perdidos na jornada, anterior em Assen (terminando a prova em 2º lugar, com Dovizioso novamente na 3ª posição) e Stoner cai para o terceiro posto, e vê um Pedrosa (que se tem mantido à margem da luta titânica do espanhol e do australiano) passa-lo e ficar a, somente 14 pontos do líder do campeonato. E foi com esta configuração que chegámos a Mugello em Itália!

A pista italiana apresentava-se óptima para a prática do motociclismo com dias quentes e cheios de sol, deixando Pedrosa muito à vontade para obter a pole position, à frente de Lorenzo que faria o 2º tempo na grelha e um espantoso Barbera que colocava a sua Ducati na linha  da frente. Stoner não iria além do 5º tempo, partindo da 2ª fila.

No domingo com Pedrosa na frente da grelha esperava-se que o pequeno espanhol dominasse parte, senão toda a corrida, fazendo jus ao seu famoso arranque. Mas foi um determinado Lorenzo que surpreendeu o compatriota logo à entrada da primeira curva dando um “chega para lá” e partir em busca da vitória. Não foi uma prova com emoção, mas foi um emocionantíssimo final. A prova foi um pouco monótona, passada com quase todos os pilotos a rodarem a 1 ou 2 segundos uns dos outros, após as primeiras voltas e algumas “escaramuças” que não demoravam mais de 1 volta. Com isto Lorenzo segurava o primeiro posto, Stoner saia de pista para voltar no 10º posto e pouco mais. Mas a 5 voltas do fim, eis que se juntam Bradl (que prova excelente!), Dovizioso, Hayden, Rossi e Crutchlow para acabarem a prova a disputar o terceiro posto. Foi extremamente emocionante o final de corrida e prendeu-nos por completo à prova. No final, Lorenzo vence e dilata a sua diferença pontual para o 2º classificado, Pedrosa em 2º a tentar acompanhar o compatriota e Dovizioso faz o seu terceiro pódio consecutivo, conseguindo ultrapassar Bradl mesmo em cima da meta.

1º – Jorge Lorenzo (185 pts), 2º – Dani Pedrosa (166 pts), 3º – Casey Stoner (148 pts)

Dovozioso, Bradl, Rossi, Crutchlow e Hayden
Dovizioso, Bradl, Rossi, Crutchlow e Hayden