#Moto3 : #16ValvulasEntrevista Rui Belmonte sobre Miguel Oliveira e algo mais

Rui Belmonte @foto arquivo 16valvulas
Rui Belmonte @foto arquivo 16valvulas

Eis um regresso não previsto ao 16Válvulas.

O que é um fato é que por boas razões voltámos a entrevistar o comentador Rui Belmonte sobre a  Moto3 , no caso concreto por causa de Miguel Oliveira.

Assim nesta entrevista falámos um pouco mais da vitória brilhante no Circuito de Mugello , bem como as dificuldades sentidas pela KTM no inicio da temporada , motivados segundo Rui pelo trabalho e aposta da Honda na categoria Moto3 em deterimento da MotoGp , p.ex.

Oportunidade ainda para uma apreciação à Moto2 e à Motogp , com a aposta de Rui em Jorge Lorenzo para Campeão e explica porquê.

Já no final falámos da despedida de Miguel Praia dos Campeonatos do Mundo com a presença este fim de semana no Autodromo Internacional do Algarve , integrado na estrutura que vem a Portugal das Superbikes e Supersport.

Em suma: mais uma análise importante , com promessa de repetição assim os resultados de Miguel Oliveira o justifiquem!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16Válvulas

#Moto3 : #Mig44 vence em #Mugello – by Aires Pereira

 

Miguel Oliveira
Miguel Oliveira

Miguel Oliveira é oficialmente o primeiro piloto luso a ganhar uma prova do campeonato do mundo de velocidade. E não ganhou porque outros perderam, eficientemente tapou as linhas de ultrapassagem nas últimas voltas protegendo-se de ataques e usando uma técnica de entrada na última curva que permitia ganhar o avanço necessário para impedir as ultrapassagens no cone de ar. Parabéns Miguel e esperemos que seja a primeira de muitas!

 

Mugello, uma das mais importantes pistas do campeonato do mundo de velocidade viu, pela primeira vez um piloto português no lugar mais alto do pódio. É um facto que Miguel já tinha “ameaçado” por diversas vezes com chegadas “ao sprint” envolvido no pelotão. Mas até á data nunca o tínhamos visto a ser tão incisivo nas ultrapassagens nem a defender a posição como defendeu. E isso fez toda a diferença.

Já em 2014 Miguel esteve perto de fazer um brilharete com a Mahindra nesta pista mas faltava-lhe qualquer coisa para poder fazer a enorme recta da meta e chegar á frente. Em 2015 o motor KTM ajudou-o na sua táctica que compreendia uma entrada algo larga na última curva de modo a conseguir uma maior velocidade de ponta e assim impedir a ultrapassagem pelo cone de ar. Esse foi o truque que foi aperfeiçoando ao longo das sessões de treinos com os melhores tempos a serem dispersos por vários pilotos, curiosamente não italianos e com Miguel sempre lá em cima. Mas a qualificação trouxe um amargo de boca a Miguel que depois de ter estado durante a maior parte do treino com tempo para partir da primeira linha viu-se ultrapassado no último minuto por vários pilotos que, usando o cone de ar catapultaram os seus tempos. Miguel viu-se assim na contingência de partir da 11ª posição. A pole position era conseguida por Kent e Ono (ambos da Honda Leopard) e Fenati que parece ter, finalmente ultrapassado os problemas de afinação da sua KTM VR46.

A corrida foi incrível. Formaram-se inicialmente dois pelotões de pilotos com Fenati e Kent a batalharem pela liderança no meio de 9 pilotos e outros tantos, cerca de um segundo atrás onde ia Miguel cuja partida não foi das mais famosas. Mas rapidamente os grupos se uniram para dar lugar a um pelotão de 20 motos, todas a batalharem pela vitória. Entrou-se então numa fase em que um piloto poderia estar na liderança numa curva e estar em 10º ou pior na curva seguinte. Aconteceu com Kent, Fenati, Bastianini, etc. Só não aconteceu com Miguel. O português subia a pulso mas não voltava a perder a posição e na 9ª volta, com um verdadeiro golpe de mestre assume o comando da corrida. O único piloto que não se rendeu á superioridade de Miguel foi Fenati que ia tentando, sem sucesso roubar o 1º posto. Era especialmente notório a velocidade de Fenati na recta da meta e a recuperação da posição por parte do Miguel na travagem para a primeira curva. Impressionante foi o facto de miguel ter liderado mais de metade da corrida, com uma táctica excepcional, tendo-se deixado ultrapassar na última volta. Mas foi aí que assistimos a um novo Miguel, muito mais agressivo nas ultrapassagens e mostrando que não tinha qualquer problema em defender a posição. Nesta última volta Miguel ultrapassou três pilotos (um deles era Kent) e ainda teve tempo para entrar na recta da meta com espaço suficiente para impedir que usassem o cone de ar para o ultrapassar. Infelizmente Kent amealhou mais 20 pontos pela segunda posição e Fenati fecharia o pódio com uma ultrapassagem “à lupa”! Com esta prestação Miguel sobe ao 4º posto no mundial de pilotos!

 

1º Danny Kent – Honda (124 pts), 2º Enea Bastianini – Honda (78 pts), 3º Romano Fenati – KTM (67 pts)… 4º Miguel Oliveira – KTM (66 pts)

#Moto3 , #ArgentinaGp , by Aires Pereira

Danny Kent
Danny Kent

Pela primeira vez Moto3 assistiu a uma vitória com 10 segundos de diferença. Danny Kent fez a diferença e ao fim de 3 corridas tem 17 pontos de diferença para o segundo classificado. Ainda a procissão vai no adro, mas Kent prepara-se para fazer algo extraordinário. Quanto a Miguel teve azar mais uma vez. Depois de ter conseguido a pole position não conseguiu garantir um lugar no pódio ficando-se pela quarta posição.

Os motores Honda, nomeadamente da equipa Leopard Racing (Kent, Vazquez e Hono) estão a dar nas vistas. Aliás a KTM está nitidamente a perder o domínio para a os motores nipónicos, sendo Miguel Oliveira o único piloto que consegue imiscuir a sua moto no meio dos motores Honda. E os treinos foram demonstrativos do poderio nipónico mas também prova que Kent está a atravessar um período de fabulosa forma. E apesar de não ter dominado totalmente os treinos, foi a peça dominante. Miguel Oliveira teve também um fim-de-semana bastante bom culminando com a pole position percebendo-se que estava bastante à vontade neste circuito argentino. Para além de Miguel Oliveira e Dany Kent, a primeira fila recebia também Niccoló Antonelli a fechar.
Miguel precisava urgentemente de pontuar depois de não o ter feito em nenhuma das sessões anteriores e teve um começo auspicioso com a liderança do pelotão até à recta interior onde qualquer piloto que lidere é ultrapassado por via do cone de ar. Nada de extraordinário até porque normalmente temos bastantes pilotos a lutar pelo primeiro lugar. Mas nesta prova Kent tinha apostado em fugir logo no início e impressionantemente foi isso mesmo que fez. Apanhou-se na liderança e simplesmente fugiu! Ao contrário Miguel acaba por ser engolido pelo pelotão descendo até às 18ª posição. Com Kent a distanciar-se uns segundos em todas as voltas, lutava-se pela segunda posição, nomeadamente com Viñales e Vazquez. Miguel recomeçava a recuperar e conseguia mesmo chegar à frente voltando a assumir a segunda posição durante umas voltas e voltando a perder a concentração de novo deixando-se envolver novamente pelo pelotão descendo até à 8ª posição a 3 voltas do fim. A segunda posição iria para Vazquez tendo Viñales ficado com o último lugar do pódio. Miguel voltava a subir desesperadamente até à 4ª posição onde acabou a corrida. Pode ser azar…

1º Danny Kent – Honda (66 pts), 2º Efren Vazquez – Honda (49 pts), 3º Enea Bastianini – Honda (40 pts)… 12º Miguel Oliveira – KTM (13 pts)

#MotoGp : #16ValvulasEntrevista Rui Belmonte sobre a nova temporada e outros temas

Rui Belmonte @foto escolha pessoal , arquivo 16valvulas
Rui Belmonte @foto escolha pessoal , arquivo 16valvulas

Poucos dias depois de ter iniciada a temporada de 2015 do Campeonato do Mundo MotoGp , convidámos o comentador Rui Belmonte para uma apreciação.

Assim nos próximos minutos vão poder ouvir Rui falar das 3 categorias do Mundial , com destaque principal para a corrida de Miguel Oliveira nas Moto3.

Oportunidade ainda para falarmos do Nacional de Motociclismo , quase a começar , bem como o Campeonato do Mundo Motocross MX.

Ocasião ainda para percebermos como correu a prova de abertura do Nacional de TT , motos em Gois.

No final tempo ainda para falarmos da prova do Abu Dhabi Desert Challenge onde estão os portugueses Paulo Gonçalves e Ruben Faria.

Em suma: mais uma importante intervenção de Rui Belmonte , que estou certo não vão querer perder por nada!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o podcast do 16Valvulas