#Formula1 : @Pirellisport : Lewis Hamilton usou a estratégia dos pneus para ultrapassar os pilotos da Williams, e venceu um grande prémio de Inglaterra completo de ação

Silverstone 2015@foto by pirelli.com
GP GRAN BRETAGNA F1/2015 – SILVERSTONE 05/07/2015 –
© FOTO STUDIO COLOMBO X PIRELLI

Lewis Hamilton usou a estratégia dos pneus para ultrapassar os pilotos da Williams, e venceu um grande prémio de Inglaterra completo de ação

Safety cars e chuva, acrescentaram emoção numa das corridas mais agitadas do ano

Diversas estratégias e alguma chuva em Silverstone

 

– A estratégia de pneus foi a chave de Lewis Hamilton para vencer o Grande Prémio de Inglaterra, quando o piloto da Mercedes parou mais cedo que os rivais da Williams, ultrapassando-os e começou a liderar a corrida. A Mercedes fez por duas vezes uma notável e eficaz estratégia, chamando Hamilton para a segunda paragem (para montar pneus intermédios), quando a chuva parou no decorrer do final da corrida.

Hamilton realizou a “pole”, mas perdeu a liderança pelo inicio eletrizante de Filipe Massa e Valterri Botas, ambos pilotos da Williams. No entanto, parou uma volta antes que o líder da corrida e uma rápida paragem na zona das boxes por parte dos mecânicos da Mercedes, contribuiu para que Hamilton assumisse o comando, depois de todas as paragens concluídas.

No final da corrida a chuva acrescentou uma variável extra de emoção, com ambos os Manor e o Ferrari de Kimi Raikkonen a serem os primeiros a montar os Cinturato Verde (composto intermédio). No entanto, estas paragens aconteceram demasiado cedo e contribuíram para o aumento do desgaste no final da corrida, factor que implicou mais uma paragem perto da bandeira de xadrês.

A nove voltas do final a chuva foi mais pronunciada e Hamilton parou quando era líder, para colocar os pneus intermédios, seguido pelo Ferrari de Sebastian Vettel. A chuva obrigou a totalidade dos pilotos a montar os pneus intermédios , com Vettel a parar mais cedo, saltando os pilotos da Williams que dominaram durante as primeiras 20 voltas, garantindo mais um pódio.

No final de todas as paragens efetuadas, Hamilton recuperou a liderança para finalmente vencer a corrida com mais de 10 segundos sobre o seu companheiro de equipe, Nico Rosberg. Terminando em 10º e após três paragens, Fernando Alonso em McLaren obteu o seu primeiro ponto da época.

Paul Hembery (Diretor da Pirelli Motorsport), afirmou: “ Esta, foi certamente uma das corridas mais excitantes do ano, durante a qual o período para a paragem de troca de pneus foi crucial, não apenas uma vez, mas ambas, quando a chuva começou a cair mesmo no final. A estratégia foi a chave da corrida, com grandes ganhos e perdas em jogo, em relação ao período da troca e escolha do composto dos pneus. Este ano, mais uma vez o público presente no Grande Prémio de Inglaterra, foi absolutamente fantástico, pelo modo de celebração e aplauso no final, cenas que raramente presenciamos em qualquer outro lugar do mundo”.

Os melhores tempos e respetivo composto:

DURO
MÉDIO
INTERMÉDIO
CHUVA

1.º
HAM 1m37.093s
ALO 1m38.883s
RAI 1m48.769s
N/A

2.º
ROS 1m37.403s
BOT 1m39.184s
ALO 1m49.800s
N/A

3.º
MAS 1m37.466s
ROS 1m39.197s
KVY 1m49.817s
N/A
Os maiores turnos(n.º de voltas), com o mesmo composto de pneus:

Composto Duro 29 Voltas Vettel

Composto Médio 36 Voltas Merhi e Stevens

Composto Intermédio 14 Voltas Alonso

 

Previsões:

A chuva, como os dois períodos do Safety car na pista (uma no inicio da corrida, outra no final através do Safety car virtual), provocou um profundo efeito na estratégia de corrida. A nossa previsão mais provável era uma estratégia com uma paragem, com troca do composto médio para o duro na volta 23. Hamilton parou na volta 19 e efetuou a sua segunda paragem no momento certo na volta 43, para a colocação de pneus intermédios.

#Formula1 : Pirelli apresenta prototipo de 18 polegadas

Paul Hembery@foto pirelliOfficialPR
Paul Hembery@foto pirelliOfficialPR

Os novos pneus de 18 polegadas da Pirelli foram o centro das atenções em Silverstone, com o piloto de reserva do Team Lotus F1 (Charles Pic), a proporcionar um novo design na estreia de quarta-feira de manhã.

Pic saiu para a pista, pouco depois das 9H00 da manhã no seu atual lotus E22, completando 14 voltas no circuito de Silverstone com os novos pneus de 18 polegadas. Este novo conceito de pneu, foi projetado para mostrar a estética ao invés do desempenho, em que os tempos por volta não eram relevantes, existindo apenas um composto para uso geral. O objetivo foi avaliar a reação e os comentários ao novo design, muito diferente do habitual, o que recebeu da maioria dos observadores uma clara satisfação com o polegar para cima.

Paul Hembery (Responsável da Pirelli Motorsport), afirmou: “ A nossa opinião é que o Lotus estava deslumbrante equipado com os novos pneus, e essa reação foi sentida em todo o mundo. Este é apenas um conceito protótipo, mas se as equipes desejarem que esse é o caminho, dispomos de capacidade e meios, para chegar a uma versão final para produção em curto espaço de tempo. Ouvimos e recolhemos muitas opiniões e estamos ansiosos por angariar outros comentários nas próximas semanas e meses. O desempenho não foi a nossa prioridade neste momento, mas os pneus comportaram-se exatamente de acordo com as nossas expetativas, por isso estamos claramente no inico de uma curva com um potencial enorme, em que as dimensões das jantes e respetivos pneus permanecem iguais há muitos anos. Estes novos pneus eram o cerne do teste, mas é claro que em curto prazo, desenvolveu-se bastante trabalho para o próximo ano, como assim, os dois dias de testes de pneus para a Ferrari, Marussia, Lotus e Red Bull foram bons. Aprendeu-se muito com os testes anteriores realizados no Bahrain e Barcelona, agora realizámos mais trabalho direcionado para 2015, num circuito rápido e exigente”.

Os novos pneus foram desenhados e concebidos de acordo com a estratégia Premiun da Pirelli em Milão. A importante vantagem técnica de um pneu de 18 polegadas é possuir um flanco mais rigido que ajuda a manter a rigidez estrutural do pneu, como também, é mais fácil mantêr uma pressão constante, uma vez que existe menos ar real no interior do pneu.

O novo pneu é maior, o que o torna mais relevante para os pneus Ultra High Performance, que são vistos na estrada por possuírem uma maior transferência de tecnologia.

Os novos pneus, testados hoje, têm a mesma largura que os atuais pneus de 13 polegadas (245 mm para a frente e 325 mm para trás), mas o diâmetro é maior em 30 mm. O peso é semelhante ao pneu de 13 polegadas, porque apesar do diâmetro ser maior, existe uma parede lateral menor. O peso total, é aproximadamente 4 Kg mais pesado.

#BES : Entrevista/balanço com Miguel Faísca após os primeiros pontos

Miguel Faísca@P R oficial
Miguel Faísca@P R oficial

Estreante na alta roda da competição automovel neste ano de 2014 , Miguel Faísca tem presença regular assegurada no 16Válvulas.

É o caso hoje porque assinalamos o primeiro ponto assegurado pelo português na Blancpain Endurance Series , este fim-de-semana em Silverstone.

Assim nos próximos minutos vão poder perceber na primeira pessoa como está a evoluir esta aventura com a Nissan , bem como se falou do futuro e as ambições pessoais para uma presença em Le Mans.

 

Em suma: mais uma entrevista importante , com um valor seguro do automobilismo português , que não deve perder por nada!

Cliquem AQUI para ouvirem e subscreverem o Podcast do 16Válvulas

Moto3 , Silverstone 2013 – Crónica by Aires Pereira

Salom, Rins, Marquez e Viñales
Salom, Rins, Marquez e Viñales

As corridas de Moto3 não são monótonas (longe disso), mas este ano pecam por ter sempre os mesmos intervenientes na liderança. Salom, Viñales, Rins e nas últimas corridas Marquez têm formado um quarteto intransponível. É pena porque tal se deve, não só ao seu talento mas também aos motores reconhecidamente superiores das suas KTM. Em Silverstone o cenário repetiu-se e Miguel voltou a sentir dificuldades com a sua Mahindra.

Maverick Viñales dominou os treinos na quase totalidade. O espanhol precisava claramente de reduzir a distância para Salom que começa a ganhar uma vantagem considerável para as provas que ainda faltam. A grelha de partida ficava então com Viñales no primeiro lugar, Rins no meio e Salom a fechar. Lá estavam os “três mosqueteiros” em posição para discutir isoladamente a vitória da prova. Miguel Oliveira voltou a sentir dificuldades com a sua Mahindra, não obstante o 2º tempo na FP2, não indo além do 8º posto na grelha.

Apesar da pista ser bastante larga em Silverstone, na opinião de Salom é difícil de ultrapassar pelo que o grupo de lideres. Mas os seus companheiros, Rins, Marquez e Viñales não estavam pelos ajustes de o deixar liderar e foi mesmo Viñales que cedo assumiu a liderança com troca com Salom. Viñales precisa de pontos e preparava-se para ganhar algum espaço com a luta entre Rins e Salom. Mas assim não foi e Salom faz uma daquelas ultrapassagens típicas em Moto3, indo de 4º para 1º numa única ultrapassagem. Fabuloso. Esta luta continuou até ao fim mas Viñales foi o grande perdedor com o 4º lugar atrás de Salom, Rins e Marquez que subiram ao pódio por esta mesma ordem. No grupo perseguidor vinham mais 4 pilotos, Miguel, Folger, Miller e Masbou que trocaram de posições durante toda a prova, tendo o português acabado por levar a melhor obtendo o 5º lugar. Com este desfecho Salom lidera agora com 26 pontos de diferença para Viñales e Rins vai logo atrás com menos 7. O campeonato está mais aberto, mas o segundo posto está debaixo de fogo. Será que Viñales vai quebrar novamente como no ano passado? Será que Salom conseguirá manter o domínio que tem exercido em tática de corrida até ao fim do campeonato? E que dizer dos dois homens da Estrella Galicia, Rins e Marquez que parece que se comem vivos em pista. Isto é Moto3!

1º Luis Salom (233 pts), 2º Maverick Viñales (207 pts), 3º Alex Rins (200 pts)…6º Miguel Oliveira (95 pts).

Moto2 , Silverstone 2013 -Crónica by Aires Pereira

Scott Redding
Scott Redding

Uma corrida emotiva sem ser excepcional. Redding afirmou-se perante o seu público como real candidato ao título de Moto2 com esta vitória e principalmente com o facto de um desinspirado Espargaro ter ficado somente pelo 8º posto. Foi um fim-de-semana em grande para o piloto britânico que solidificou a sua posição com uns respeitáveis 38 pontos de diferença.

Mais uma vez os treinos foram repartidos por vários pilotos com Johann Zarco a protagonizar dois dos melhores tempos das sessões de treinos livres e Nakagami a conseguir mais uma vez a pole position. O japonês está muito consistente e rápido e logrou obter pela terceira vez consecutiva o segundo lugar na corrida. Pol Espargaro nunca se encontrou e sofreu com isso com a obtenção somente do 6º tempo na linha de grelha.

A corrida seria dominada por três intervenientes. Redding, Nakagami e Luthi que se encarregaram de nos brindar com ultrapassagens e troca de posições um pouco durante toda a corrida. Nakagami ainda conseguiu assumir o controlo da prova numa entrada larga de Redding, mas rapidamente Redding voltava ao domínio da situação exactamente da mesma maneira que o tinha perdido, com um erro do adversário. Foi então a vez de Nakagami se ver a contas com Luthi e com Rabat que mais uma vez faz uma recuperação espectacular até se colar as líderes. A luta de Nakagami e Luthi saiu favorável ao japonês e Rabat não conseguiu sequer esboçar qualquer tipo de ultrapassagem, quedando-se pela 4ª posição. Redding viu a bandeira de Xadrez e sai de Silverstone com 38 pontos de vantagem sobre Espargaro que tende a tornar-se um eterno segundo a exemplo do seu compatriota Pedrosa em MotoGP. Espargaro já lutou com Marquez (em 125cc e Moto2), Terol e Cortese, tendo ficado sempre em 2º lugar no fim do campeonato. Caso não aconteça nada de excepcional a Redding, Espargaro terminará mais uma época como vice…isto se não for apanhado por Rabat e Kalio que se aproximam rapidamente.

Uma última palavra para Gino Rea com um acidente na última volta que lhe valeu um dedo partido.

1º Scott Redding (192 pts), 2º Pol Espargaro (154 pts), 3º Esteve Rabat (135 pts)